quarta-feira, 2 de maio de 2007

A Guerra Da Estrela De Hecate

15 de agosto de 1983 –

Washington D.C. - Estados Unidos

O círculo... O círculo... O círculo... O círculo, tenho que traçar o círculo! Agora, agora, após a minha grande vingança contra os desgraçados que me foderam a vida inteira, posso comemorar e relembrar da minha saga contra todos eles! Todos eles, putos miseráveis! Todos eles, republicanos de merda, vermes do Reagan! Fiz o círculo muito bem... Muito bem! Os aparatos... As vítimas... Minhas duas irmãzinhas, meu papai, minha mamãe... Cada um deles desmembrado com o cutelo do meu titio Adam! Eles me foderam também, eu odiava a todos eles, a todos eles! E o meu ódio, meu ódio, meu ódio... Ah, meu ódio era maior contra elas, contra eles, todas elas, todos eles, aquelas, aqueles, que me foderam na escola! A “Selene Louise retardada” mostrou para todos eles o que é uma guerra! Tracei o círculo... Tracei... Pensando em cada uma delas... Pensando em cada um deles... Hecate, minha mamãe Hecate... Hecate, a mãe minha Hecate... Hecate evoquei... Evoquei... E delas me vinguei... E deles me vinguei... Me vinguei! Me vinguei! Me vinguei!

00:35 h

Maria Santinni, aquela que me batia desde o primeiro colegial, rasgava os meus cadernos, cuspia em mim, foi a primeira! A primeira! Segui Maria durante meses, fui sabendo de todos os passos dela! A vagabunda não subiu na vida, trabalhava em uma lanchonete o dia e à noite era stripper! Bem que ela sempre teve uma cara de puta mesmo! Machado... Machado... Sete Demônios Servos De Hecate comigo, à espreita dela, em uma esquina, rua deserta... Hecate, Hecate, Hecate... “Hecate, guiai o meu machado, guiai o meu machado, guiai o meu machado”, eu pedi, eu pedi, eu pedi! Ataquei a vagabunda pelas costas! Uma machadada primeiro no ombro esquerdo! Caiu a vagabunda e logo tapei a boca dela com minha mão esquerda para que não gritasse, ficando por cima dela, enquanto minha mão direita, amorosamente empunhando o machado, tratava bem da buceta de puta vagabunda dela! Dez, vinte, trinta, quarenta... Cem... Duzentos... Trezentos... Mil e quinhentas machadadas naquela buceta fedorenta e muito comida, os Sete Demônios Servos De Hecate me protegendo, me incentivando, me inspirando! “Aqui a Selene Louise retardada, Maria”! “Olha como te como, Maria”! “Goza bem, Maria”! Sussurei no ouvido dela, enquanto eu lhe encarava o olhar, depois de quinze anos ela me reconheceu e chorava, chorava, chorava muito! Adorei aquelas lágrimas! Ela já tinha morrido na décima nona machada, mas continuei por puro prazer a golpeá-la naquela esquina deserta! Deixei o machado cravado na buceta dela! Estava de luva e ele tinha sido roubado um dia antes em uma lojinha, de madrugada, na qual eu matei com punhaladas o dono dela, a esposa e os quatro filhos crianças apenas para me distrair um pouco, eu estava entediada! A polícia escrota de Washington não vai me pegar nunca! Sou uma estrela! A Estrela De Hecate! E Hecate me defende de tudo! E estava comigo na guerra contra todos os meus inimigos!

01:12 h

Mansão bela era a de Richard e Martha Kohn, estes dois desgraçados que me espancavam também desde que eu estava no primeiro colegial! Isso durou até o término dos meus estudos na escola secundária! Eles, eles, eles, todos eles, me tornaram o saco de pancadas oficial daquela escola maldita de ricos! Estudei lá com bolsa e... Foda-se, minha vida antes da guerra que travei não importa! Richard e Martha, antes Martha Riggs, se casaram há sete anos e tinham duas filhas, gêmeas! Como treinei durante quinze anos para me vingar, como treinei, como treinei! Aprendi a lutar, a usar armas de fogo, a usar armas brancas e, o melhor de tudo, descobri-me uma feiticeira... Hecate me guia a cada momento e me guiou na entrada que efetuei naquela mansão... Eram doze seguranças, homens fortíssimos com estaturas variando entre um metro e noventa e dois metros e cinco... Silenciosamente, nas Sombras Da Madrugada, auxiliada pelos Sete Demônios Servos De Hecate, matei cada um deles com uma punhalada certeira no coração! Preparei para Richard, Martha e as filhas deles uma Katana que encomendei especialmente do Japão há três anos, comprada com o dinheiro que recebia como mestra em defesa pessoal do Exército, civil! Entrei na mansão, entrei, entrei, entrei, entrei bem sorridente... Nunca adentrara em lugar tão bonito que logo ficaria mais bonito com o sangue que escorreria em seu piso! Primeiro, as meninas, primeiro, primeiro... Elas tinham três anos, eram muito lindinhas... Decapitei as duas! As duas! As duas! Suas cabecinhas carreguei para o quarto dos papais, estes dois estavam fodendo e gritaram muito quando lancei aquelas lindas cabecinhas em cima deles! Richard veio para cima de mim, acendi a luz, e o castrei com um golpe certeiro! Aquele pênis devia ter uns trinta centímetros, que desperdício... Deixei o desgraçado gritando ao lado do pênis pulsante no chão e corri até Martha, que como uma maluca acariciava as cabecinhas da filhinha! Cortei as mãos dela! Cortei os bicos dos seios dela! Retirei-lhe o escalpo a gargalhadas! A retalhei todinha, mil vezes, duas mil vezes, três mil vezes! Eu a observei morrer em agonia, retalhada! Ela suspirou pela última vez e, então, fui acabar o que iniciei com o Richard! Enfiei-lhe o pênis decepado no cu! O violentei com o próprio pênis decepado! Ele chorava muito! Ele chorava muito! Ele chorava muito! Eu o desmembrei devagarzinho depois de violentá-lo! Primeiro, os pés! Depois, os tornozelos! Depois, as coxas! Depois as mãos! Depois os antebraços! Por último, a cabeça! Peguei a cabeça dele! Bebi-lhe o sangue que escorria! Gritei “Hecate, Hecate, Hecate, Hecate”! Deixei a espada cravada nas quatro cabeças, arranquei a de Martha também, na mesa de jantar deles! Que se foda se deixei a marca de uma das batalhas da minha guerra lá! A polícia jamais vai me pegar, jamais! Hecate me protege! Eu sou A Estrela De Hecate!

04:22 h

Sigo mais, sigo mais, sigo, sigo, sigo, mais, mais, mais, mais, essa trilha que Hecate me deu, quero mais sangue, o sangue dos meus inimigos! Sarah Estevez, puta cadela que uma vez me fez cair da escada na escola e me deixou um mês no hospital! Sarah Estevez, a desgraçada vagabunda que uma vez se reuniu com Ricardo González, Richard Matthews e Karl Johann Peters para tentarem me violentar! Eu fugi, nada contei, nada podia contar, eles possuem dinheiro, como Richard e Martha Kohn possuiam! Eles moravam perto desses dois, em mansões distintas, bem conservada, bem ao gosto do cu republicano! O grande cu republicano! Pelo grande cu republicano, resolvi fazer uma homenagem, uma grande homenagem ao estilo escroto republicano! Sorrateiramente, primeiro, fui à mansão do Karl, matei os doze pastores alemães que tomavam conta da mansão, fui entrando na casa, fui entrando na casa, com o machado, com o machado! Resolvi me divertir bastante, afinal, mais uma mansão republicana eu invadia! Fui para o setor dos empregados! Treze empregados! Punhal nas mãos, punhal erguido, crânios perfurados, sangue quee degustei, pelos Demônios que me acompanhavam, por Hecate que me acompanhava! Sangue escorrendo, alma minha de Filha De Hecate empregada, a cada golpe uma litania de amor ao que eu sou, uma litania de amor à minha mãe, uma litania de amor a Hecate! Mil punhaladas! Duas mil punhaladas! Três mil punhaladas, no crânio, no crânio, no crânio! Subo as escadas! Karl é casado! O nome da esposa é Helen! Eles tem cinco filhos! Ah, que deliciosa vingança, como amo matar crianças, matar crianças, matar crianças! Há mais moradores aqui! Os pais de Karl! Os pais de Helen! Mais deliciosas vítimas, criaturas por mim republicanamente vitimadas! Fui em direção às crianças! Quarto a quarto, machado a machado, decapitando-as no silêncio da madrugada, no Silêncio Dos Demônios, no Silêncio De Hecate! Os pais de Karl, os velhotes, matei com estrangulamentos, adoro velhos sofrendo assim, estrangulados, estrangulados, estrangulados! Os pais de Helen matei sufocando-os com os próprios travesseiros, adoro, adoro, adoro, sufocar velhotes assim também! Fui ao quarto de Karl e Helen, que bom, eles dormiam! Bom, eu pude preparar uma criação minha dolorosa! Criei uma forma mais dolorosa de matar, de matar, de matar, de matar, em nome de Hecate! Ácido no cu deles! Ácido lancei! Eu os fiz gritar! Eles me reconheceram! Que prazer! Fui, então, com a vontade mais feroz de minha infernal vontade de matar, investindo contra eles com as minhas próprias mãos, lançando-lhes ácido ao mesmo tempo! Matei os dois a socos, a socos, mil, dois mil, três, quatro mil, cinco mil socos, socos, socos, socos! O ácido, o ácido, o ácido, fez neles efeitos maravilhosos, belíssimos eles ficaram! Matei! Matei! Matei! Helen estava grávida... Tirei-lhe o feto... O monstrinho se mexia... Ah, como adorei esmagar aquela porra fodida com os meus pés! Esmaguei! Esmaguei! Esmaguei! E saí da mansão! Fui ao encontro de Richard Matthews! Com Hecate me protegendo! Com a minha Mãe, Hecate, me protegendo! Eu sou uma estrela! Eu sou A Estrela De Hecate!

05:36 h

Outra mansão! Outra invasão! Vinte seguranças recebendo o meu ácido, eu não queria mais saber, eu queria que gritassem bastante, eu queria me deliciar mais ainda em minha vingança ouvindo-lhes os gritos, eu queria, eu queria, eu queria! Matei-os com punhaladas nas gargantas, apenas uma! Os empregados acordaram! Richard Matthews, a esposa, Ruth, e os dois filhos, acordaram! Maravilhoso desespero assisti, eu adentrando, toda fodidamente ensangüentada e deixando atrás de mim um rastro de muito mais sangue, um massacre dedicado à minha Mãe, um massacre dedicado à Hecate! Quinze empregadas desmembrei com a minha Katana! Puto desgraçado, Richard Matthews comia cada uma delas, cada uma, era um harém aquela mansão! Político republicano o escroto era! Ele ia fugir! Ia, ia, ia! Já estava no carro, com a esposa e os filhos! Vi um galão de gasolina! Um isqueiro no bolso esquerdo da minha calça! Por causa do isqueiro em minha calça, naquele momento para mim maravilhoso de caçada e de massacre, agradeci a minha mamãe Hecate por tudo! Furei os pneus do carro! As criancinhas gritaram! A mulherzinha gritou! Ele gritou! Espalhei a gasolina pelo carro todo! As criancinhas gritaram chorando! A mulherzinha gritou chorando! Ele gritou chorando! O fogo tomou conta do carro rápido! Recitei cânticos a Hecate! Recitei cânticos ao Diabo! Sai dali, risonha, sabendo que eles seriam carbonizados! Sai, sai, sai, o carro explodiu, a polícia chegou, mas ninguém me achou e nem testemunha alguma sobrou! Afinal, eu sou uma estrela! Uma grande estrela! A Estrela De Hecate! Eu sou A Estrela De Hecate!

06:17 h

Não tinha mais tempo a perder, o dia chegou, o dia chegou, o dia chegou! Mas, a minha Mãe, continuava comigo! Os Sete Demônios continuavam comigo! A polícia me caçava, mas não sabia o que eu era! Ricardo! Ricardo! Ricardo! Tive que ser mais rápida! Nada de matar seguranças! Nada de matar empregados! Nada de matar cães! Mas, seguranças e empregados também são cães! "Deixe isso, deixe isso, deixe isso, Louise", pensei comigo mesma, adentrando em mais uma mansão fodida da porra republicana! Ricardo era viúva, perdeu a mulherzinha, uma tal de Agatha, dois anos antes, em um acidente de carro, tragediazinha comum que me fez rir, dei até uma festa, para mim mesma, quando soube disso! Ele começou a gastar a sua fortuna com bebidas e eu o encontrei bêbado! Gosto de beber também, muito... Uísque... Uma garrafa de uísque... O que fiz com uma garrafa de uísque! Meti tudo no cu dele, claro, executei a criação de mais uma obra de arte minha! Mas, antes, com a minha Katana, eu cortei-lhe a língua para que não gritasse... Cortei-lhe as mãos para que não me golpeasse... Cortei-lhe os pés para que não corresse... Bravamente fui enfiando-lhe pelo cu a garrafa de uísque... Ele morreu quando eu, através do vidro da garrafa, cravei até o fígado dele a minha Katana! Que vingança! Que vingança! "Tu não me estupraria, republicano de merda? Como é ser estuprado? Gostou da experiência?", sussurrei no ouvido do cadáver! E sai dali! Quietinha! Sem ser vista pelos seguranças, pelos empregados, pelos cães... Quer dizer pelos cães todos da mansão, pois os que trabalham para os republicanos são todos uns cães! Ninguém me viu! Ninguém nada notou! Sou uma verdadeira estrela! Uma estrela que caminhava para a finalização de sua jornada de vingança! Estrela em direção à pior de todos os meus inimigos! Estrela em direção a Sarah! Estrela! Estrela De Hecate! Eu sou A Estrela De Hecate!

06:45 h

Sarah cuspia em mim todo dia! Sarah jogava vômito em mim todo dia! Sarah ria de mim todo dia! Sarah me batia todo dia! Sarah, Sarah, Sarah, a maior dos meus inimigos, a maior, a maior, a maior! Sarah, filha de milionários diplomatas, estudante maior da escola na qual convivemos juntas da infernal forma mais brutalizada! Sarah, a que me escolheu como sua escrava, escrava que merecia ser humilhada, espancada, estuprada! Sarah quase conseguiu que me estuprassem! Sarah se deitou com todos aqueles homens que eu matei! Sarah, a vagabunda! Sarah, a prostituta! Sarah, a pobretona! Sarah, a drogada! Sarah, a morta... Miserável, morreu de overdose depois de sete anos, após a morte dos pais e o seu empobrecimento, a falência vitimou após a perda dos cargos diplomáticos! Sarah, Sarah, Sarah! "Sarah, eu mesma queria te fazer engolir uma tonelada de cocaína! Mas, a porra da cocaína te fodeu antes de mim! Mas, eu posso te foder ainda!" Eu disse isso ao chegar no velório dela, gritando! Velório armado pelos amiguinhos drogados dela, a família toda, de El Salvador, abandonou-a! Sete drogados no velório, assustados comigo! Sai matando todos eles, não podia mais perder tempo, não podia, não podia, não podia! A polícia percorria toda a cidade atrás do "Carniceiro De Washington", a imprensa tratou de assim me apelidar, nem sabendo o meu sexo direito! Matei os drogados decapitando-os com minha Katana! Me aproximei, gritando, de Sarah! Joguei ao chão o caixão de Sarah! Arrastei o cadáver de Sarah até a saída! Matei com uma punhalada no abdômen um taxista! Amarrei Sarah com um pedaço de corda que trazia às costas no pára-lamas do táxi! Arrastei Sarah por Washington! Arrastei! Arrastei! Arrastei! Arrastei! A polícia! A polícia me viu! A polícia logo me ligou a todos os crimes! O "Carniceiro" se tornou A Carniceira! Mas, eu sou uma Estrela! Eu sou A Estrela De Hecate! Continuei arrastando Sarah pelas ruas de Washington! Continuei! Continuei! Continuei! Continuei! A merda da polícia não me pegava! Fiz muitos morrerem ao baterem com outros veículos pelas estradas! Atropelei centenas de pedrestes subindo pelas calçadas! E Sarah, a desgraçada que a isso tudo me inspirou, continuava amarrada ao pára-lamas, sendo arrastada! Cheguei, então, a um lugar muito mais carniceiro do que eu! Cheguei nos portões da Casa Branca! Reagan! Reagan! Reagan estavá lá! Arrombei os portões! Os agentes da CIA correram até o táxi! Sai com com a minha Katana do táxi! Reagan! Reagan! Reagan! Reagan! A imagem maior do poder republicano! O mesmo poder que me humilhou, que me destruiu, como ser humano! Minha mãe comigo! Os Sete Demônios comigo! Eu, Estrela! A Estrela De Hecate! A Estrela De Hecate! A Estrela! A Estrela! A Estrela De Hecate! Hecate! Hecate! Hecate! Hecate! Hecate! Hecate! Hecate...

Aqui, de quatro, no Inferno, sendo currada por Legiões Demoníacas em peso, vejo o quanto eu sou A Estrela De Hecate! Ao traçar o círculo, desenhei um caractere errado! Hecate e os Sete Demônios Dela não surgiram! Djim, O Senhor Infernal Do Fogo, surgiu no lugar deles! Eu não sabia lidar com Ele! Eu não sabia! Eu não sabia! Fui dilacerada! Fui trazida para cá, para O Inferno! O Inferno! O Inferno!

Maria está viva!

Richard e Martha Kohn estão vivos!

Ricardo, Richard Matthews e Karl estão vivos!

E Sarah! Sarah! Sarah! Sarah! Sarah! Sarah sobreviveu à overdose e está em uma clínica de desintoxicação internada!

E eu, a Selene Louise retardada, sempre retardada, eterna retardada, de quatro e sendo currada! Currada! Currada! Currada!

A Estrela De Hecate não podia cair assim... Não podia... Não podia... Não podia... Podia... Podia, sim... Eu sou uma Estrela Retardada, tinha que cair assim! Sim! Sim! Sim! Sim! Eu sou uma Estrela! Uma Estrela! Eu sou A Estrela De Hecate!

Eu sou A Estrela De Hecate!

Eu sou A Estrela De Hecate!

Eu sou A Estrela De Hectate!

Eu sou!

Eu sou!

Eu sou!

Eu sou!

Eu sou!

Eu sou!

Eu sou!

Eu sou!

Estrela currada por milhares de milhares de milhares!


Inominavelmente Estrelado,

Inominável Ser.




Share:

0 Cadáveres Aqui Escavaram Suas Covas:

Meu Perfil No Facebook

Esta Cova No Facebook

Prosa De Um Coveiro Inominável

O Terror Inominável. O Horror Inominável. A Loucura Inominável. A Cova Aqui É A Do Puro Pesadelo Das Covas Mais Profundas E Elevadas. Vozes Estranhas Aqui. Sons Estranhos Aqui. Palavras Estranhas Aqui. Estranhas E Inomináveis. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Do Terror Inominável. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Do Horror Inominável. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Da Loucura Inominável.

O Coveiro Inominável

Minha foto
Nos Infernos, O Abismo
Visualizar meu perfil completo

Cavam Aqui Suas Covas:

Arquivo do blog

Marcadores


Firefox

Firefox
Obtenha visualizações gratuitas no Snap.com
Add to Technorati Favorites

Arquivo do blog

Recent Posts

Unordered List

Theme Support