domingo, 21 de setembro de 2008

Cradle Of Filth - Her Ghost In The Fog



"The Moon, she hangs like a cruel portrait
soft winds whisper the bidding of trees
as this tragedy starts with a shattered glass heart
and the Midnightmare trampling of dreams
But on, no tears please
Fear and pain may accompany Death
But it is desire that shepherds it's certainty
as We shall see..."

She was divinity's creature
That kissed in cold mirrors
A Queen of Snow
Far beyond compare
Lips attuned to symmetry
Sought Her everywhere
Dark liquored eyes
An Arabian nightmare...

She shone on watercolours
Of my pondlife as pearl
Until those who couldn't have Her
Cut Her free of this World

That fateful Eve when..
The trees stank of sunset and camphor
Their lanterns chased phantoms and threw
An inquisitive glance, like the shadows they cast
On my love picking through by the light of the moon

Putting reason to flight
Or to death as their way
They crept through woods mesmerized
By the taffeta Ley
Of Her hips that held sway
Over all they surveyed
Save a mist on the rise
(A deadly blessing to hide)
Her ghost in the fog

They raped left...
(Five men of God)
...Her ghost in the fog

Dawn discovered Her there
Beneath the Cedar's stare
Silk dress torn, Her raven hair
Flown to gown Her beauty bared
Was starred with frost, I knew Her lost
I wept 'til tears crept back to prayer

She'd sworn Me vows in fragrant blood
"Never to part
Lest jealous Heaven stole our hearts"

Then this I screamed:
"Come back to Me
I was born in love with thee
So why should fate stand inbetween?"

And as I drowned Her gentle curves
With dreams unsaid and final words
I espied a gleam trodden to earth
The Church bell tower key...

The village mourned her by the by
For She'd been a witch
their Men had longed to try
And I broke under Christ seeking guilty signs
My tortured soul on ice

A Queen of snow
Far beyond compare
Lips attuned to symmetry
Sought Her everywhere
Trappistine eyes
An Arabian nightmare...

She was Ersulie possessed
Of a milky white skin
My porcelain Yin
A graceful Angel of Sin

And so for Her...
The breeze stank of sunset and camphor
My lantern chased Her phantom and blew
Their Chapel ablaze and all locked in to a pain
Best reserved for judgement that their bible construed...

Putting reason to flight
Or to flame unashamed
I swept form cries
Mesmerized
By the taffeta Ley
Or Her hips that held sway
Over all those at bay
Save a mist on the rise
A final blessing to hide
Her ghost in the fog

And I embraced
Where lovers rot...
Her ghost in the fog

Her ghost in the fog






Share:

Os Diários Recados De Cada Recanto E De Cada Coisa De Uma Amarga Morada


Condicionado pelos anos de espera por alguma milagrosa despreocupada mudança no estado das coisas de mundos existenciais em meu mundo, talvez existente por um acaso dos destinos dos recantos de minha morada, eu alço um vôo agora pelas lembranças desta. Sou de uma espartana estirpe de inconsoláveis manobristas de pensamentos, eu os coordeno na tirania da disciplina de cada momento que me ensinou a trazer ao palco do teatro do meu consciente enleio com o viver que me suporta uma atuação sincera para abarcar a hipocrisia que a cada situação me cercava. As palavras soam bem melhores assim, assim quando estou em minha morada, herança de uma hierarquia romena de nobres nesta terra gélida da Inglaterra. Todo meu dinheiro, todo meu momento de fazer-me um rico homem de posses por metade da Europa, alguns países da América e em Hong Kong são apenas insignificantes pontos do meu existente espaço neste enredo de mundos que me abordam, me cercam e me refazem quando me destruo diante dos recados de minha morada. Os tijolos, eles, os tijolos, dão-me diários recados. A tinta das paredes, ela, a tinta, dá-me diários recados. O piso, ele, o piso, dá-me diários recados. As lâmpadas, elas, as lâmpadas, dão-me diários recados. O teto, ele, o teto, dá-me diários recados. O azulejo, ele, o azulejo, dá-me diários recados. O sofá, ele, o sofá, dá-me diários recados. A cama, ela, a cama, dá-me diários recados. As portas, elas, as portas, dão-me diários recados. Os estrados, eles, os estrados, dão-me diários recados. O computador, ele, o computador, dá-me diários recados. O chuveiro, ele, o chuveiro, dá-me diários recados. Os quadros, eles, os quadros, dão-me diários recados. Os livros, eles, os livros, dão-me diários recados. Minha morada dialoga, eu sou um recebedor dos recados dela, ouço ainda o cimento e a areia que foram utilizados para a construção dela. Os recados da minha morada esquartejam-me a consciência e nem este vinho português de mais de oitenta anos que ora estou a saborear me embebeda, pois eu quero me embebedar, quero um tanto me embebedar e esquecer-me que ela, a minha morada, comigo agora está a falar...


Marianne York. Minha morada me fala de Marianne York, a padeira escocesa que acolhi durante algum tempo por aqui, ela fugia de um marido que queria enforcá-la. Minha morada me fala dela, melhor, o porão me fala dela...



- Repita a sagrada palavra!

- Senhor...

- Repita a sagrada palavra!

- Eu...

- Marianne, repita a sagrada palavra!

- Louvadamente...

- Louvada? Que é a louvação?

- Senhor, eu...

- Que é a louvação?

- Por favor, pela Virgem...

- Que é a louvação?

- Não suporto aqui esta...

- Que é a louvação?

- Senhor...

- Que é a louvação?

- A mente... A mente!

- Que mente?

- Mentira... A mentira...

- Mentira? Te ensinei assim acerca da Bíblia da minha morada?

- Não...

- Vai me dizer que não se lembra da primeira lição?

- Não...

- Dirá a mim que não se lembra, Marianne?

- Meu pescoço...

- Dirá que não se lembra da primeira lição, Marianne?

- Quero sair... Senhor, deixe-me sair... Deixe-me sa...

- Ore para a minha morada!

- Quê?

- Ore para a minha morada!

- Senhor, senhor, por favor... Vou embora de vossa morada... Me solte...

- Ore para a minha morada!

- Senhor...

- Ore para a minha morada!

- Por Deus... Por Deus...

- Eu sou aqui na minha morada o teu Deus, Marianne! O teu Deus!

- Por Deus...

- Me venere no altar da minha morada, Marianne!

- Por Deus...

- Qual foi a quinta lição bíblica, Marianne?

- Por Deus, me solte... Por Jesus, me solte...

- Eu sou o seu Messias, Marianne!

- Me... solte...

- Qual foi a quinta lição bíblica, Marianne?

- Não posso...

- Qual foi a quinta lição bíblica, Marianne?

- Minha cabeça...

- Qual foi a quinta lição bíblica, Marianne?

- SOLTE-ME, DESGRAÇADO, SOLTE-ME!!!

- A Ira, não!



Minhas mãos envolveram o pescoço de Marianne, dá me este recado a tinta da parede atrás de mim.



- A Ira, não!



Eu a balancei enquanto minhas mãos sufocavam-na, dá-me este recado o abajur acima de mim.



- A Ira, não!



O arame farpado com a qual, nua, amarrei-a, penetrou-lhe na pele, dá-me este recado a taça de cristal na qual sorvo o vinho que estou a sorver.



- A Ira, não!



Eu envolvi o pescoço dela com arame farpado e apertei, dá-me este recado o tapete da saleta na qual estou a sorver o vinho que não está a embebedar-me.



- A Ira, não!



O arame farpado cravou-se em minhas mãos, dá-me este recado o cinzeiro cheio de cigarros que está na pequena mesa diante de mim.



- A Ira, não!



O arame farpado crava-se no pescoço de Marianne, que, enfim, assim morreu, dá-me este recado os pés da pequena mesa diante de mim.



- A Ira, não!



Tremulações, as últimas tremulações de Marianne, minhas mãos sentiram enquanto eu ainda fiquei a apertar no pescoço dela o arame, dá-me este recado a mini-estante de livros atrás de mim.



- A Ira, não!



Balancei mais Marianne, balancei mais com o dilacerante farpado arame, dá-me este recado a página trezentos e quarenta e quatro da Divina Comédia de Dante aberta acima da mini-estante atrás de mim.



- A Ira, não!



Marianne parou de tremular, mas eu continuei ao farpado arame ainda a apertar, diz-me todo o piso de mármore na saleta aos meus pés a apresentar-se.



- A Ira, não!



Joguei aquele cadáver, em arame envolvido qual trapo podre dos lixões das grandes cidades, no meio do porão dando um urro de aliviante expressividade, diz-me uma gravata Armani que retirei e depositei acima do braço direito do sofá no qual estou a encontrar-me.


Marianne, eu não ensinei tudo a ela acerca da Bíblia de minha morada para que fosse ignorado quando exigisse na prova que lhe dei cada pedaço da lição aprendida! Aquele sangue dela, diz-me a maçaneta da porta da saleta na qual estou, junto ao meu, aqueceu-me em desejos que me destrançaram dos cabelos da mulher sã que é a Humanidade, ou, pelo menos, dita parcela sã da Humanidade. O arame no corpo dela, o porão ensangüentado, e as paredes do mesmo porão me dizendo o que fazer com aquele cadáver miserável... Fui a um recanto do porão e peguei um machado de lâmina dupla; antes de utilizá-lo, retirei todo o arame do corpo daquela escocesa puta. Eu desmembrei aquele cadáver fruto de terras escocesas e as lâminas do machado que eu utilizava deram-me a condução do que depois eu faria com cada membro. Um caldeirão de barro que adquiri no Brasil recebeu cada pedaço do cadáver de Marianne e eu subi para recolher lenha, água, fósforos... Assei os pedaços de Marianne, cozinhei cada pedaço no caldeirão de barro, que me dizia para degustar calmamente cada osso, cada centímetro daquela pele, cada unha, os olhos, a língua, o fígado, os intestinos, os pulmões, o coração... O coração de Marianne, diz-me agora o acolchoado das almofadas nas quais me apóio, foi o último pedaço dela que consumi. De lá do porão, de lá do porão que diariamente me envia recados, o cheiro do sangue de Marianne é o que me faz beber diariamente litros e litros de vinho, mas nunca me embebedo. Ainda remexem-se em meu estômago os pedaços dela, diz-me agora os óculos que deixei acima da pequena mesa nesta saleta. E Adam Stewart é um nome que uma edição de O Vermelho E O Negro, de Stendhal, que deixei caída no chão à minha esquerda, diz-me...


Adam Stewart, carteiro. Adam Stewart, um deficiente mental, Síndrome De Down, um retardado da cidade mais próxima daqui, Newcastle. Deram um emprego para um retardado, um emprego importante para um retardado; meu banheiro, um dos três banheiros de minha morada, na parte superior da minha morada, protestou contra isso quando eu atendi a porta e vi aquele demente com uma encomenda da Espanha para mim. A carta estava amassada, diz-me o pé esquerdo do meu sapato de couro italiano que retirei... A carta estava amassada, não suporto ver cartas amassadas... A carta estava amassada, aquele retardado... Aquele retardado, Adam Stewart... Aquele retardado amassou a minha carta, ela me dizia isso, eu olhava para ela, ela, a carta, que me dizia isso! O vaso daquele banheiro deu-me um recado, um recado para que eu espancasse aquele retardado, o atordoasse dando-lhe uísque e álcool puro para beber, e o arrastasse com a roupa toda rasgada até ele, subindo uma escadaria de cento e vinte e oito degraus. Isso eu fiz, havia fezes naquele vaso, minhas fezes despejadas contendo restos de carne de carneiro que eu havia comido; o vaso disse-me para torturar o retardado nele.



- Retardado, a minha carta chegou amassada!



Enfiei a cabeça dele nas fezes uma vez com a mão esquerda segurando-lhe os cabelos, deixei um minuto, contei em meu relógio Rolex, depois retirei, diz-me o quadro de Moran na saleta que agora estou.



- Retardado, não gosto das minhas cartas amassadas!



Enfiei a cabeça dele nas fezes uma segunda vez com a mão esquerda segurando-lhe os cabelos, deixei dois minutos, contei em meu relógio, Rolex, depois retirei, diz-me a revista Time deste mês que acima da pequena mesa deixei.



- Retardado, eu pago os impostos a todo mês e as minhas cartas eu gosto de ver sem nenhum amassado!



Enfiei a cabeça dele nas fezes uma terceira vez com a mão esquerda segurando-lhe os cabelos, deixei três minutos, contei em meu relógio Rolex, depois retirei, diz-me o papel em branco que uso para fazer meus cálculos financeiros que deixei cair na pequena mesa diante de mim.



- Retardado, o amassado nas minhas cartas me deixa no pico do máximo de estresse aceitável!



Enfiei a cabeça dele nas fezes uma quarta vez com a mão esquerda segurando-lhe os cabelos, deixei quatro minutos, contei em meu relógio Rolex, depois retirei, diz-me a caneta Montblanc que caiu ao lado do papel embaixo da pequena mesa diante de mim.



- Retardado, a ordem define minha fineza, eu deixo todas as minhas roupas divinamente bem passadas e o amasso de cartas aqui não há, todas as minhas cartas eu plastifico e guardo em cofres de ouro nos melhores bancos do mundo!



Enfiei a cabeça dele nas fezes uma quinta vez com a mão esquerda segurando-lhe os cabelos, deixei cinco minutos, contei em meu relógio Rolex, depois retirei, diz-me o vidro do espelho circular na parede à minha esquerda nesta saleta na qual estou a vinho sorver.



- Retardado, custa muito manter-me na ordem que eu julgo a perfeição que meu santo ofício de guardar bem esta minha morada me exige e coisas amassadas não são do meu agrado sagrado!



Enfiei a cabeça dele nas fezes uma sexta vez com a mão esquerda segurando-lhe os cabelos, deixei seis minutos, contei em meu relógio Rolex, depois retirei, diz-me uma cópia do CD do Álbum Branco dos Beatles que acima da pequena mesa nesta saleta deixei.



- Retardado, meu tempo constrói a ordem das minhas tarefas e não me recordo de ter deixado nenhuma delas amassar qualquer dos bens que eu possuo em minha morada e em meus domínios pelo mundo!



Enfiei a cabeça dele nas fezes uma sétima vez com a mão esquerda segurando-lhe os cabelos, deixei sete minutos, contei em meu relógio Rolex, depois retirei, diz-me o aparelho de som da LG à esquerda da porta desta saleta, a tocar nesta Clair De Lune, de Debussy.



- Retardado, aquela carta amassada vou ter que jogar fora e você ficará fora para sempre da respeitável Companhia Dos Correios da respeitável Inglaterra!



Enfiei a cabeça dele nas fezes uma oitava vez com a mão esquerda segurando-lhe os cabelos, deixei oito minutos, contei em meu relógio Rolex, depois retirei, diz-me uma caixa de charutos cubanos acima do aparelho de som da LG.



- Retardado, sabeis do valor de um produto amassado e irrecuperável?



Enfiei a cabeça dele nas fezes uma nona vez com a mão esquerda segurando-lhe os cabelos, deixei nove minutos, contei em meu relógio Rolex, depois retirei, diz-me um lenço de seda com o qual eu seguro a taça de cristal com o vinho que estou a sorver.



- Retardado, sabeis do valor de um produto amassado e irrecuperável?



Ergui a cabeça dele com as duas mãos segurando-lhe os cabelos, bati uma vez a testa dele no assento do vaso, contei com os lábios, diz-me uma das tomadas, à minha direta, nesta saleta na qual estou.



- Retardado, sabeis do valor de um produto amassado e irrecuperável?



Ergui a cabeça dele com as duas mãos segurando-lhe os cabelos, bati duas vezes a testa dele no assento do vaso, contei com os lábios, diz-me outra tomada, agora à esquerda, nesta saleta na qual estou.



- Retardado, sabeis do valor de um produto amassado e irrecuperável?



Ergui a cabeça dele com as duas mãos segurando-lhe os cabelos, bati três vezes a testa dele no assento do vaso, contei com os lábios, diz-me mais uma tomada, agora perto da porta, à direita da porta, nesta saleta na qual estou.



- Retardado, sabeis do valor de um produto amassado e irrecuperável?



Ergui a cabeça dele com as duas mãos segurando-lhe os cabelos e fui batendo e fui batendo e fui batendo, dizem-me agora todas as três tomadas ao mesmo tempo!



- Retardado, sabeis do valor de um produto amassado e irrecuperável?



E fui batendo e fui batendo e fui batendo, as três tomadas, elas, as três tomadas, dizem-me ao mesmo tempo!



- Retardado, sabeis do valor de um produto amassado e irrecuperável?



E fui batendo e fui batendo e fui batendo, as três tomadas, as três, elas, as tomadas, dizem-me ao mesmo tempo!



- Retardado, sabeis do valor de um produto amassado e irrecuperável?



E fui batendo e fui batendo e fui batendo, as tomadas, três tomadas, as tomadas, elas, elas três, dizem-me ao mesmo tempo!



- Retardado, sabeis do valor de um produto amassado e irrecuperável?



E fui batendo, a massa cinzenta daquele retardando se uniram às fezes, dizem-me as moedas em minha carteira!



- Retardado, sabeis do valor de um produto amassado e irrecuperável?



E fui batendo, a massa uniu-se às fezes, o cérebro daquele retardado saía, uma rachadura naquela retardada testa se abria mais e mais e muito mais a cada batida, dizem-me as notas de euros em minha carteira!



- Retardado, sabeis do valor de um produto amassado e irrecuperável?



Eu continuei batendo, como eu continuava a bater e a bater e a bater aquela testa retardada no assento do vaso, diz-me a a minha identidade na carteira posta agora em meu colo!



- Retardado, sabeis do valor de um produto amassado e irrecuperável?



A última batida, diz-me a ponta de um dos oitenta cigarros que hoje já fumei, abriu totalmente o crânio daquele retardado, sangue e massa cinzenta jorraram em meu rosto, minha língua saboreou esta mistura, minha boca se saciou e eu me sentei ao lado do cadáver do retardado, depositando a cabeça deste no meio das fezes no vaso.


Me motivei a limpar aquilo tudo, o banheiro tornou-se um grande esgoto cheio de sangue, miolos e fezes. Litros d'água carreguei, subindo e descendo os degraus da escadaria de minha morada; lavei até o cadáver do retardado, aquele Adam cujas roupas me diziam para levá-lo até o porão, o caldeirão o aguardava. Daquela vez eu usei uma serra elétrica para desmembrar parte a parte de um corpo humano, colocando-as uma a uma no caldeirão, colhendo a lenha necessária, pondo a água necessária, acendendo o fogo necessário para cozinhar aquelas partes do retardado Adam. Antes, diz-me um mosquito que pousa perto do meu ouvido direito, tomei um banho de sais e lavanda, álcool e essências ricas em minerais, o cheiro do sangue, das fezes e dos miolos do retardado Adam do meu corpo eu precisava retirar. Outro mosquito pousa perto do meu ouvido esquerdo, para dizer-me que me vesti com roupa de gala, peguei o melhor conjunto de pratos de porcelana da minha morada, os talheres de ouro quinze quilates comprados em França e fui apreciar o sabor da carne e dos ossos do retardado Adam no porão destinado ao livramento dos resquícios da imposição de meu domínio no império que a cada recanto daqui ergui com amoroso gosto. A carne daquele retardado de Newcastle era mais dura que a de Marianne, mas desceu bem pela minha garganta; os ossos chupei bastante, deliciosos ossos de um retardado. O porão, ao fim da minha refeição, foi limpo, diz-me uma barata que aos meus pés passa, barata oriunda dele que cheira a sangue, a miolos, a fezes e a vômito... Vômito me faz de algo lembrar, me faz de algo muito mais longe lembrar, muito mais longe, algo que uma fileira de formigas que percorre os cantos todos desta saleta na qual estou diz-me... Annabella, Annabela... Uma Annabella, uma Annabella... Uma Annabella... Annabella Schiffer, a alemã que se apaixonou por mim, diz-me o nome dela A Canção De Solveig da ópera Peer Gynt, de Grieg, automaticamente o CD foi trocado no aparelho de som da LG.


Annabella Schiffer. Annabella, eu a tive como minha amante, ela era casada com um certo Klaus Schiffer, um nome que me faz lembrar do vômito no porão, diz-me uma outra barata que advém do porão e voa agora por esta saleta. Eu e Annabella, sim, Annabella, aquela Annabella, eu e ela viajamos pelo mundo, Taiti, Bahamas, Havaí, Alasca, todo exótico lugar que o meu dinheiro me possibilita acessar. Ela era pompoarista, fazia sexo anal, sexo oral e apreciava orgias em grupo, fizemos diversas orgias em grupo, somente no Rio de Janeiro, esta cidade na qual todos os residentes nela pensam a partir da cintura para baixo, foram doze orgias em quatro anos. Quatro anos me relacionei com aquela Annabella, sim, quatro anos foram, quatro anos de relacionamento com a aquela alemã cadela que valia menos do que uma puta desgastada de um euro das ruas de Berlim. Nada eu sentia, nada eu sentia, nada, sentir não me acometia quando meu pênis se introduzia na vagina, no ânus, na boca ou entre os seios dela ou de outras durante as orgias e fora destas. Nada senti quando fui penetrado no ânus por um avantajado negro carioca, trinta e dois centímetros de um pênis que dilacerou-me a próstata. Durante quatro anos eu estudei aquela criatura e os seus propósitos, aquela deturpada Filha De Lilith que me disse ter nascido de uma família pobre de Frankfurt e que enriqueceu ao dar o golpe do baú em Klaus Schiffer. Annabella Schiffer era, originalmente, Annabella Fisher, a mesma cadela alemã com o nome de solteira, afirmo isto após concluir o que ela de sua história pessoal me disse. Aquela criatura me atraiu e a minha morada toda por ela clamava; eu jamais a trouxera durante quatro anos até minha morada, a sua presença aqui desestabilizaria a harmonia que eu construi na religião que exerço aqui. Mas, a minha morada, a minha, a morada, sim, ela clamou por Annabella e eu quis conhecer Klaus, o marido dela, um industrial alemão com uma empresa do ramo de motos presente em vinte e cinco países. Eles vieram aqui, vieram à minha morada, ela me apresentou como seu amante, era um casamento aberto, e Klaus queria que eu, para satisfazer-lhe a fantasia, o violentasse no porão, no porão da minha morada que, àquela época, era apenas uma parte não-utilizada da religiosa ordem que aqui eu elaborei bem coordenada.



- Os amantes da minha mulher sempre me violentaram, eu gosto da coisa, gosto muito...

- Eu e ele, S...

- Annabella e Klaus, vamos para o porão.

- Interessou-se, S...

- Vamos para o porão.

- Hmmm...

- Meu interesse por essas práticas, Annabella, você sabe que são bem formais.

- Eu quero primeiro te chupar, S...

- Sim, Klaus, podes me chupar. Querem que eu deixe ligada aqui uma música?

- Quero.

- Eu também, Klaus e S...

- Qual música, tenho todas aqui disponíveis para naquela vitrola ali no canto esquerdo desta casa tocar.

- Seu detalhismo sempre me surpreendeu, S...

- Qual a música que você quer que eu deixe tocando aqui, Annabella?

- Uma música apenas, não, um disco inteiro! Você tem o álbum recém-lançado de uma banda chamada Black Sabbath?

- De mesmo nome, o primeiro álbum deles.

- Este, sim, com músicas que amo!

- Eu também, sou fã dessa nova banda!

- Vou pôr o disco para tocar.



Me aproximei de minha coleção de discos, alguns raros em demasia, perto da vitrola e identifiquei o álbum pedido de imediato, pondo-o para tocar, diz-me um dos discos raros, de jazz, de uma banda desconhecida dos Estados Unidos que deixei junto de um saco de lixo à frente da porta, não tenho mais vitrola e os discos raros estou quase jogando fora. Pus o volume na capacidade máxima e ao tocar a primeira música, Black Sabbath, em seus iniciais acordes de estranha ambientação, Annabella e Klaus começaram a mexer o corpo e eu, hipocritamente, teci um sorriso de desprezo que eles não perceberam, diz-me o saco de lixo à frente da porta. Me encaminhei até a entrada do porão, a três salas da sala principal de minha morada, eles me acompanharam se esfregando um no outro como os cães alemães que eram, desci com os dois até o porão, diz-me um dos botões do aparelho de som da LG. Eles se despiram e eu continuei vestido, esqueci totalmente do disco que no último volume, acima de nós, tocava, me concentrando com o braço esquerdo para trás e com a mão direita abrindo a braguilha da minha calça de cetim e pondo meu pênis endurecido de vinte centímetros, grosso e bem erguido, para fora. Klaus abriu os lábios e o envolveu todo, chupando-o; Annabella deitou no chão do porão e se masturbou; e eu nada sentia, diz-me um pequeno caderno de anotações que carrego sempre no bolso esquerdo do meu blazer Calvin Klein negro. É o mesmo blazer que estou a usar hoje. A mesma calça, igualmente. Esta latente lembrança é dita pelo meu pênis, também parte desta morada de bíblicas lições ordenantes. Klaus me chupava, Annabella se masturbava, os dois de olhos fechados... Eu mantive meu braço esquerdo voltado para trás e eles nem perceberam a furadeira automática que em minha mão se encontrava, diz-me a mesma mão esquerda que agora segura a taça de cristal com o vinho que não me embebeda. Eu me curvei por sobre Klaus, ajoelhado diante de mim, e fiz meu pênis descer mais pela garganta dele, chegando perto do meio das pernas de Annabella, atrás dele presente. Medi a distância, liguei a furadeira e com um único movimento de meu braço, enfiei a lâmina toda da mesma, de quinze centímetros, na vagina dela, ligando-a, diz-me uma pequena mancha amarelada na parede branca desta saleta que pintada é de azul-claro. Annabella gritou continuamente e Klaus, pensando que meus dedos davam-lhe prazer continuou a chupar-me.



- Eu estou girando bem os meus dedos, Annabella?



Girava a furadeira e mantinha, com a mão direita, as mãos dela afastadas, Klaus me chupava, diz-me a coleção de carros de prata de brinquedo espalhada pelo chão desta saleta.



- Eu estou girando bem os meus dedos, Annabella?



Girava a furadeira, Annabella se contorcia, Annabella gritava, eu quebrei com apenas uma mão os braços e as pernas dela, Klaus me chupava, diz-me a coleção de pequenas revistas pulps pornográficas guardadas em uma maleta atrás do sofá no qual estou.



- Eu estou girando bem os meus dedos, Annabella?



Girava a furadeira, Annabella, ela se contorcia; Annabella, ela gritava; Klaus, ele me chupava; diz-me a maleta atrás do sofá no qual estou.



- Eu estou girando bem os meus dedos, Annabella?



Girava a furadeira, Annabella parou de se controcer, se entregou, ela se entregou, apenas gemia; Klaus extasiado continuava a chupar-me, mas se sentia estranho e eu percebia; diz-me a fina luz fraca da lâmpada nesta saleta.



- Eu estou girando bem os meus dedos, Annabella?



Girava a furadeira, ela, Annabella, apenas gemia, e Klaus afastou a sua boca do meu pênis e vomitou e começou a delirar rolando ao chão, já que LSD líquido tinha previamente passado em meu pênis antes da chegada deles à minha morada, diz-me uma mosca que aqui voa em redor de mim, oriunda como os mosquitos e as baratas do porão de minha morada.



- Eu estou girando bem os meus dedos, Annabella?



Pisei no corpo de Klaus bem forte, fazendo-o parar de se arrastar no chão do porão, retirei a furadeira da vagina de Annabella e a cravei entre os olhos dela, girando-a e erguendo-lhe o corpo, diz-me uma ratazana que se aconchega ao meu colo, ratazana esta que oriunda é do porão de minha morada como os mosquitos, as baratas e a mosca ainda me rondando.



- Eu estou girando bem os meus dedos, Annabella?



Mantive Annabella erguida, girando a furadeira cravada entre os olhos dela, que não mais gemia, que agonizava, e fui massacrando o crânio de Klaus com o meu pé direito, diz-me uma serpente venenosa, uma naja que comprei na Índia há anos e anos atrás, serpente naja que como a ratazana, a mosca ainda me rondando, as baratas e os mosquitos, oriunda é do porão de minha morada.



- Eu estou girando bem os meus dedos, Annabella?



Annabella, erguida, morreu, mas continuei girando a furadeira entre os olhos dela; Klaus, enlouquecido pelo LSD que pus em meu pênis, morreu pisoteado no crânio, mas, mesmo morto, continuou a receber as pisadas de meu pé direito, dizem-me as rachaduras presentes por toda esta saleta, por onde água e esgoto escorrem.



- Eu estou girando bem os meus dedos, Annabella?



Joguei aquela cadela alemã ao chão e retirei de entre os olhos dela a lâmina da furadeira; juntei o corpo dela ao de Klaus e, como havia bebido bastante vinho antes deles chegarem, sem me embebedar, cinco garrafas de bom vinho português do Porto, mijei nos cadáveres deles, diz-me a água misturada com esgoto a escorrer pela saleta.


E, como naquela época, ainda não havia no porão um caldeirão e eu, sendo muito mais jovem do que agora, era brutalmente mais forte e vigoroso devido aos treinos de luta livre e boxe e musculação incessantes, que me fizeram campeão mundial nas duas primeiras categorias esportivas, peso-pesado, devorei aqueles dois cadáveres mijados sem cozinhá-los, crus, as peles macias de alemães saudáveis, os ossos frágeis de alemães magros, um sabor inesquecível como diz-me o cheiro podre da saleta e de minha morada toda...


Sessenta e quatro anos tenho agora. Ainda sou fisicamente muito forte. Ainda sou rico. Ainda viajo pelo mundo todo. Ainda consumo muito. Ainda coleciono muito. Mas, não recebo visitas em minha morada, não faço reformas em minha morada, não permito aproximações de estranhos em minha morada, que é somente a minha morada. Este vinho nunca me embebeda... Vinhos nunca me embebedaram... Bebidas alcoólicas nunca me embebedaram... Sempre sóbrio, eu fico bebendo e aguardando as novas oportunidades de espalhar a religião desta minha morada aqui mesmo nela aos praticantes agora todos da mesma, os praticantes, estes, estes que são dela agora, todos, todos os que nos recantos desta minha morada foram por mim convertidos, todos que me obedecem, eu sou deles Papa.


E seus diários recados me fazem Deus Único de uma Criação de muitas outras moradas, todas minhas como esta minha morada. Morada de diários recados e de infinitas rezas amargas diariamente entoadas a mim direcionadas.



Inominável Ser

EM SUA TAMBÉM

AMARGA MORADA






Share:

Covas Recomendáveis

Prosa De Um Coveiro Inominável

O Terror Inominável. O Horror Inominável. A Loucura Inominável. A Cova Aqui É A Do Puro Pesadelo Das Covas Mais Profundas E Elevadas. Vozes Estranhas Aqui. Sons Estranhos Aqui. Palavras Estranhas Aqui. Estranhas E Inomináveis. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Do Terror Inominável. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Do Horror Inominável. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Da Loucura Inominável.

O Coveiro Inominável

Minha foto
Nos Infernos, O Abismo
Visualizar meu perfil completo

Cavam Aqui Suas Covas:

Marcadores


Firefox

Firefox

Meu Perfil No Facebook

Obtenha visualizações gratuitas no Snap.com
Add to Technorati Favorites

Recent Posts

Unordered List

Theme Support