sábado, 21 de maio de 2016

Nas Tempestuosas Lâminas Do Sangue Korack




— “Bakan e Olokere, ouçam as palavras desta vossa Mestra como o sussurro do vento que acariciará os seus corpos banhados de sangue no campo de batalha quando chegar a hora do Primeiro Grito Guerreiro. Nossa Tradição Guerreira nasceu dos Punhos Conquistadores do Primeiro Korack, Oxalun, O Vigésimo Quinto Filho Keauriotheniano de Thornadoriusis Shodolon, nosso Pai, Soberano E Provedor. Ele foi o maior aliado de Llajak Jokat Nersky Samlah, O Primeiro Keauriotheniano, na Expansão Territorial Inicial de nosso Império pela Galáxia de Andrômeda do Universo Genesis; e os descendentes dos dois, até a Idade Dos Fatos, conquistaram os 600.000 Universos, e as incontáveis Colônias Planetárias e Galácticas em outros Universos, que constituem o território onde o Poderio Imperial Keauriotheniano é da mais firme Rocha Eterna. Nós, os Korack, somos o Sexagésimo Sétimo Clã Eterno Maior Keauriotheniano, O Clã Dos Manifestantes Das Tempestades Sanguinárias. Vocês duas ainda são muito pequenas, mas terão muito a aprender ainda sobre como Manifestar Tempestades quando se tornarem as Deusas Da Guerra Reveladora Do Espírito Guerreiro Da Magia Eterna que formarei. Primeiro, lutem ao lado de seus pais neste planeta, abandonem seus brinquedos e anseios infantis a partir deste momento. É sangue que vocês devem pedir agora ao Espírito Guerreiro de Nossa Mãe Automanifestada. O sangue dos inimigos na ponta de sua lança, Bakan. O sangue dos inimigos na lâmina de sua espada, Olokere.”

As palavras de Ossahn Korack, Suprema Deusa Da Guerra Keauriotheniana, a irmã mais velha do pai delas, nunca foram esquecidas pelas irmãs Bakan e Olokere Korack. As duas, as primeiras dos 878.908 filhos de Oxan e Xun’oo Korack,  Deuses Menores Da Guerra Keauriotheniana e Generais Supremos De Guerra da Colônia Universal De Iorun Ba, ouviram aquelas antes da primeira batalha que travaram em suas Existências: a do Planeta Nin Ge contra 7.117.121.100.000 integrantes (todos da Grandeza Evolutiva) da Ordem Therin Ocitilop Shodolon Dos Assassinos Cósmicos liderados pelo próprio Fundador da mesma. Um dos inúmeros filhos de Thornadoriusis Shodolon e Amanorap Ocitilop que se tornou um sanguinário Mercenário Multiversal, o Deus Cósmico Do Universo Xiromen, que governava após conquistá-lo dizimando-lhe todas as Raças Planetárias, tencionava roubar as Relíquias Guerreiras de Iorun Ba. Reunidas em 617.095 planetas deste, eram extremamente protegidas pelo Clã Korack e, sob o ataque de Therin e seus discípulos, quase foram roubadas em sua totalidade. Ossahn, Discípula Direta da mãe de Therin, liderou sua excelentíssima Ordem Guerreira (230.145.976.006.321 integrantes) e 382.900 Legiões (150.000 Soldados por Legião) contra os invasores universais. Rapidamente, todos os integrantes dos Seres Cósmicos (6.543.907.432 Grandes) e dos Ases Cósmicos (7.535.532.865 Grandes) que foram levados para o ataque, também fundadas por Therin, foram exterminados pelo espaço de cinco bilhões de Galáxias em uma ferocíssima batalha. As Riquezas que foram roubadas eram levadas pelos Assassinos em direção aos Túneis Interdimensionais que ligam as Categorias Universais, mas a ultravelocidade do empenho de Ossahn e seus comandados conseguiu as mortes de 4.828.897.908 daqueles. Os sobreviventes foram encurralados na Galáxia De Indutys e obrigados por Therin a se refugiarem no Planeta Nin Ge; ele acreditava que poderia vencer a todos os combatentes daquela Colônia Universal Keauriotheniana em um ambiente bioespiritualmente melhor manipulável por ele, mas enganou-se. Ossahn enfrentou-o pessoalmente e o massacre dos discípulos deles deixou a cargo daqueles que comandava, os quais foram implacáveis e recuperaram todas as Riquezas. Therin foi poupado da Extinção apenas porque Ossahn amava Amanorap como uma mãe é jamais tiraria um filho desta da Existência, deixando-o partir de volta para o Universo que ele governava. Foi uma vitória na qual nenhum protetor das Riquezas sucumbiu; e os destaques foram Bakan (a lança desta bebeu o sangue de 24.460.765.322 Assassinos) e Olokere (a lâmina da espada desta bebeu o sangue de 24.786.954.824 Assassinos). Foi a partir desta batalha que elas ficaram conhecidas como As Irmãs Tempestades Sanguinárias.

— “Bakan e Olokere, A Guerra não é apenas o derramar do sangue de um inimigo e nem o sorver do mesmo nos crânios de muitos abatidos por suas armas. Sua lança, Bakan, já foi empunhada por 1.947.665 Guerreiras; a sua espada, Olokere, por 1.981.764 Guerreiras; todas elas, do nosso Sangue Korack, estabeleciam para elas mesmas um Código Guerreiro Interno que as obrigava a serem muito mais do que derramadoras e sorvedoras de sangue inimigo. Elas se faziam também abatidas nos campos de batalhas. Elas também tinham o sangue sorvido nos próprios crânios por aqueles que abatiam-nas. Elas se punham nas condições dos inimigos derrotados e compreendiam o porquê das condições que levavam a uma vitória ou a uma derrota. Elas Viam as Tempestades Vitoriosas e as Tempestades Derrotantes ao mesmo tempo quando se encontravam no meio de uma batalha. As experiências delas estão presentes nos Vinte E Dois Mil Livros Da Sabedoria Guerreira Korack. Leiam e releiam cada um deles até que A Tempestade Da Compreensão lhes atinja.”

E elas leram. E elas releram. Sempre ao lado, as armas. Sempre lado a lado, estudando, meditando e discutindo juntas no Primeiro Templo Da Guerra Korack De Iorun Ba, no Planeta Ono Rlum, Galáxia Lon Pak. Planeta-Sede do Governo Colonial Universal a cargo de Xangur Can (Deus Do Machado Cósmico Secreto) e Ahyaban Comud (Deusa Da Serpente Eterna Automanifestada), era também o planeta-natal das duas. O Treinamento que as tornaria Deusas afastou-as das companhias dos 623.543.848.074 habitantes do planeta porque os mesmos passaram a ovacioná-las como Deusas Maiores após os feitos na primeira batalha que elas travaram. Já antes desta, impressionavam aos pais, a todos aqueles e a Ossahn pelas habilidades formidabilíssmas demonstradas no manejo de Alaru’Korack (A Lança Tempestade) e Boruko’Korack (A Espada Tempestade) em treinamentos marciais abertos ao público. Já destinadas a se tornarem Deusas devido ao Potencial Bioespiritual que a essa Condição Evolutiva leva conhecida de todos, foram batizadas pela população planetária como As Crianças Tempestades. Após Nin Ge, Ossahn proibiu-as de contato com outras pessoas além dela, confinando-as em Recintos Dimensionais Secretos do Templo e treinando-as de modo extraordinariamente aprofundante das habilidades e técnicas de cada uma a Nível Físico, Mental e Espiritual. Seis Anos Universais de Treinamento na mais absoluta reclusão. Seis Anos e, já adultas, atingindo a Maturidade Bioespiritual Keauriotheniana, Bakan e Olokere tem a permissão de Ossahn para saírem do Templo. E como Deusas que entrariam para a História Keauriotheniana de um modo que elas sequer imaginavam desde que empunharam pela primeira vez duas das Riquezas Guerreiras Korack que Herdaram por Afinidade Bioespiritual. A Lança de Bakan evoluiu ao Nível Divino. A Espada de Olokere evoluiu ao Nível Divino. Divinas, elas foram ovacionadas por muitos dos admiradores delas que aguardavam-nas quando saíram da reclusão. Entre tais admiradores, os pais, que choravam, junto aos demais 439 irmãos delas que nasceram durante todos aqueles Anos.

— “Bakan e Olokere, quando toda batalha estiver para ser iniciada, quando todo sangue que vocês derramarem estiver para ser derramado, procurem olhar para cada combatente aliado e inimigo. Olhar não como as Deusas que serão, mas como simples combatentes como eles. Vasculhem cada um deles, Estudem cada um deles, Vejam e Ouçam cada um deles. Estudem para que possam Ser como eles, vencendo ou perdendo a batalha. Vejam para que possam Sentir os olhos vitoriosos ou sem vida deles ao final da batalha. Ouçam para que possam Perceber os Organismos Bioespirituais deles pulsantes ou inexistentes na Matéria após o último grito de guerra ao fim da batalha. Cada Tempestade dessas é um Ensinamento Eterno e esta descrito em suas armas. As anteriores Portadoras Tempestades de sua Lança, Bakan, Foram, Sentiram e Perceberam cada aliado vitorioso e cada inimigo derrotado nos campos de batalhas onde estiveram. As anteriores Portadoras Tempestades de sua Espada, Olokere, Foram, Sentiram e Perceberam cada aliado vitorioso e cada inimigo derrotado nos campos de batalhas onde estiveram. Sejam. Sintam. Percebam. Assim, suas vitórias serão Tempestades, assim como as suas derrotas.”

11.828 Eras Universais se passaram desde que o Treinamento das Irmãs Tempestades findou-se. As duas seguiram distintos caminhos, distanciando-se uma da outro ideologica e existencialmente: enquanto Bakan decidiu unica e exclusivamente permanecer no Universo que passou a defender ao lado da Mestra e dos demais Guerreiros Keauriothenianos da Colônia, Olokere percorreu todas as Categorias Universais, Mundos além destes e, até mesmo, Linhas Temporais Alternativas, como uma Deusa Guerreira Errante. Altiva, arrogante, orgulhosa e crudelíssima, Olokere se tornou o oposto máximo de Bakan, uma humilde, simples e agradável amante da Natureza dos planetas do Universo onde nasceram. Bakan conseguiu, a cada defesa perfeita de Iorun Ba das ações de invasores, a admiração e veneração de seu Ser pelos habitantes de cada planeta, algo que ela não alimentava de nenhuma maneira. Por outro lado, igualmente carismática apesar de sua explosiva personalidade, Olokere incentivava seus admiradores a vê-la como uma Deusa Governante Da Criação, em todos os planetas, entre as raríssimas pausas de suas viagens pela Criação. Quando uma Ordem de Cultuadores dela foi criada, Ossahn, como Soberana Mística Maior De Iorun Ba, intrometeu-se, gerando o rompimento dela com sua segunda maior discipula. Sem o apoio de Bakan e de todos os Deuses de seu Universo, Olokere ajudou o Culto a crescer e, levando grupos do mesmo em suas viagens, criou focos em outros Horizontes. Bakan tentou convencê-la a dissolver o Culto e reatar com Ossahn, mas a irmã, ambiciosa e desejosa por assumir o lugar da Poderosíssima Deusa De Iorun Ba, também rompeu com aquela. Tanto Ossahn quanto Bakan e todos os Clãs Keauriothenianos sentiram muitíssimo o afastamento cada vez maior de Olokere, que, ainda assim, exterminava ao lado deles invasores.

— “Bakan e Olokere, A Guerra Automanifestada Está Dentro De Nós, Em Nós Está Todo Grito De Guerra Em Todo Campo De Batalha. O Furor de nossa Existência é Consagrar o que Somos ao Espírito Guerreiro da Nossa Mãe Magia Eterna. Nós, Korack, assim como todos os Clãs Keauriothenianos, devemos criar a nossa própria maneira de Sermos A Guerra ininterruptamente. Os Livros que vocês lêem e relêem contém apenas Base e as experiências nos campos de batalhas são Novos Livros Guerreiros Sendo Escritos. Escritos Sempre. Escritos Continuamente. Escritos Eternamente. Tempestades Conhecimentos. Conhecimentos Tempestades. Sim, este é o Korackjusoban, nosso Eterno Modo Guerreiro de Sermos A Guerra. Um Modo entre todos os Modos Keauriothenianos De Ser A Guerra: O Modo Ocitilop, O Modo Ocitilop Shodolon, O Modo Gnaix, O Modo Kronham, O Modo Cromvram, O Modo Gnaldht, O Modo Zinger, O Modo Agaser, O Modo Ekin, O Modo Rabitevitahan, O Modo Lamalt, O Modo Rabitevitah, O Modo Sherotonword, O Modo Perytoleivetich, O Modo Kominskelitah, O Modo Xetersyro, O Modo Xetersyro, O Modo Gariobard, O Modo Situfard, O Modo Kowanwarer, O Modo Flader… Enfim, todos os Modos de nossa Raça Ser A Guerra irei lhes ensinar como minha Mestra, Xaphan Korack, me ensinou do modo que ela Aprendeu com a Mestra dela, Zambua Korack. No fim, tudo se torna O Modo Tempestade De Ser A Guerra.”

11.828 Eras Universais. Bakan enfrentou as mais perigosíssimas Arquimestras Caçadoras de Imeon Siat, Representante Material Da Destruição Automanifestada e fez tombar com sua Lança inumeráveis daquelas e de Caçadoras Menores. Olokere derrotou Tharusus Ocitilop Shodolon, O Sol Negro Eterno, Líder da Ordem Dos Astros-Reis, Dezenove Sóis Criminosos a serviço de diversos Impérios; Adâmia Koran Ron Ast, Deusa Da Magia Eterna Cósmica, Líder da Ordem Alena Resal desta; Baomtaaf Nidamusah Zaagd, Deus Da Magia Da Natureza Eterna Automanifestada; Líder da Ordem Dos Duendes Da Senda Natural que leva seu nome; Liromael Geludocimon, Deus  Da Luz Astral Eterna, Líder dos Astros Iluminados; Vermedirau Egnargal Ogladih, Deus Da Mente Automanifestada Da Criação, Líder da Ordem Eluht Noscut dos Dominadores E Destruidores Mentais; e inúmeros outros Líderes de Ordens Crimininosas do Plano Universal, Mundos e Linhas Temporais apenas para comprovar sua Superioridade Evolutiva, nunca sendo derrotada. Bakan liderou, ao lado de sua Mestra, as Legiões Keauriothenianas contra o Império Turamonjiari de Arted Enji Esaf Ad Rir, O Primeiro Deus Das Totalidades Universais Da Criação; em tal guerra provocada pelo desejo expansionista de Arted, os pais das Irmãs Tempestades sucumbiram e, em resposta, Bakan, sozinho, Extinguiu 90% das forças invasoras e decidiu para Keauriothen a Guerra De Arborienitud Contra Iorun Ba. Olokere fez alianças escusas, às claras, não se importando com sua Raça, com diversos inimigos declarados desta, atuando em contratos para trabalhos como Mercenária para os mesmos, incluindo Turamonjiari, causador das mortes dos pais dela. Bakan, entre guerras menores e defesas de Possessões Imperiais, em seu Universo, encontrou o Amor na imponente figura de Bauraken Ocitilop Shodolon, Deus Das Doze Espadas Primeiras Da Magia Eterna, filho de Thornadoriusis e Amanorap, com o qual contraiu Matrimônio e gerou 205.112 filhos. Olokere tornou-se amante de Thalij Ocitilop Shodolon, outro filho do Imperador Keauriotheniano e da Segunda Dos Três Primeiros Evoluídos Keauriothenianos; cruel e sanguinário conquistador que criou o Império Arborienitud, o principal inimigo de Keauriothen, foi a alavanca necessária para Olokere travar contatos com diversos outros Impérios inimigos de sua Raça à medida que gerou com aquele 550.224 filhos. Bakan Viu sua irmã seguir por um caminho que a tornou Inimiga Eterna Da Raça Keauriotheniana, declarada a todo o Império pelos próprios lábios de Thornadoriusis, o que lhe doeu existencialmente. Olokere fez por merecer tal Declaração Eterna no exato momento em que, por Arborienitud e outros Impérios que desejavam A Queda De Keauriothen, matou e Extinguiu Keauriothenianos em guerras e contratos, existencialmente sentindo-se plena. Bakan Via o Futuro, ao lado de Ossahn, lamentava, chorava e aguardava. Olokere Via o Futuro, ao lado de todos os Imperadores inimigos de Keauriothen, alegrava-se, sorria e aguardava.

— “Bakan e Olokere, vocês já Aprenderam e Apreenderam; Apresentaram e Apoiaram; Abriram e Abraçaram; Iniciaram e Findaram. Temos que Ver, Ouvir, Calar e Falar sempre em Termos Tempestades nas Conjunções Fatoriais da Condição de Deusas. Como Deusas, O Tempo para vocês duas sempre será um grão de areia minúsculo que o menor dos ventos sempre levará. Como Deusas, O Espaço para vocês sempre será Percebido Além E Nele Mesmo, tudo estará próximo, vocês estarão dentro de tudo. Como Deusas, A Matéria para vocês sempre será pequeníssima diante da Vastidão Cósmica e da Vastidão Anti-Cósmica. Como Deusas, A Realidade, O Campo Real, A Visão Real, para vocês sempre será Fator Existencial a ser ultrapassado. Como Deusas, Tempestades para vocês sempre serão Exponenciais Oportunidades de Serem O Todo E O Nada. O Todo Tempestuoso. O Nada Tempestuoso. O Grandioso Mistério De Toda Automanifestação E Manifestação Revelado. Mas, esse Mistério deve ser ultrapassado e esquecido. Algo Acima Deve Continuar Sempre Sendo Buscado. Algo Acima da Automanifestação. Algo Acima da Manifestação. Algo mesmo nas Deusas que vocês serão.”

11.828 Eras e, no início da Era Universal De Ltambe Beberthu, Bakan e Olokere não mais tiveram que aguardar. Olokere, na liderança de Legiões de Arborienitud,  das de demais outros Impérios, de Impérios de outras Linhas Temporais e Mercenários de diversos Horizontes, invadiu Iorun Ba em um ataque que não foi Visto por nenhum Deus deste Universo. Os massacres planetários foram no início arrebatadores, mas Ossahn, Bakan, Bauraken e seus comandados conseguiram taticamente equilibrar o confronto. Percebendo, à certa altura, que deveria eliminar primeiramente os quatro inimigos, Olokere desafiou sua Mestra e, contra a mesma, travou uma enfurecidíssima Batalha Evolutiva em todos os Níveis desta. Bakan Viu seu Esposo Eterno e filhos serem mortos, lutando, matando e Extinguindo a todos os invasores que lhe surgiam à frente. Em dado momento, então, Viu Olokere, após aciradíssima Batalha, decapitar uma Profanada e ferocíssima Ossahn. Bakan, que a considerava uma segunda mãe, Evolutivamente Explodiu e iniciou uma Extinção em massa de todos os inimigos que pôde encontrar percorrendo todo o Universo em direção a Olokere. Esta, também Evolutivamente Explodindo, tratou de seguir em direção à irmã Extinguindo membros das Legiões defensoras de Iorun Ba. As duas direcionaram-se uma à outra deixando atrás delas Rastros Extintos de incontáveis Existenciais, emitindo Gritos Eternos que puderam ser Ouvidos por toda a Criação. E, quando encontraram-se, uma terceira explosão ocorreu, Energética, causando a destruição de 220.432 Galáxias. E a Batalha delas iniciou-se em meio à Poeira Cósmica de tais Galáxias, uma Batalha Tempestade sem antecedentes e precedentes na História daquele Universo.

— “Bakan e Olokere, como Deusas, vocês deverão sempre Saber Ser Existência, Morte E Extinção como Divinas Tempestades e Tempestades Divinas. Não basta estabelecer apenas uma Rota, mas Infinitas Rotas. O Infinito É Amigo Dos Deuses. O Finito Inexiste Para Deuses. Porém, Deuses Não São Infinitos Em Si Mesmos. Isto significa que vocês duas, Bakan e Olokere, assim como eu, seus pais, todos os Deuses Keauriothenianos e da Criação, podemos ser Mortos e Extintos. Somos capazes de atingir o Nível de Representantes Materiais De Automanifestados ou nos tornarmos, através de nossa Evolução Existencial Sermos Automanifestados. Mesmo assim, podemos ser Mortos e Extintos. Vocês experimentaram aqui A Morte E A Extinção como Tempestades Iniciáticas; um dia, poderão enfrentá-las em um campo de batalha. Saibam disto, Deusas.”

Após 33 Anos Universais, a Guerra De Iorun Ba cessou. Os Keauriothenianos venceram graças ao então Príncipe Thades Ocitilop Shodolon, comandando inumeráveis Grandes e Deuses que compunham um grupo de Auxílio Multiversal a Raças vítimas de Impérios tirânicos. 76% da população nativa de Iorun Ba dizimada. 92% das forças invasoras dizimadas, obrigando a retirada dos sobreviventes de maneira imediata. Bakan e Olokere foram encontradas no Planeta Nin Ge, o planeta que foi o palco da primeira batalha das Existências delas. A ponta da lâmina da Espada de Olokere cravada na Marca De Thornadoriusis na testa de Bakan. A ponta da Lança de Bakan cravada na Marca De Thornadoriusis na testa de Olokere. Em pé. Como estátuas. Sem Evolução. Sem Divinização. Sem Vida. As Últimas Tempestades delas foram As Maiores Que Os Korack Podem Realizar.

Inominável Ser
BÉLICO
CRONISTA
INOMINÁVEL





Share:

0 Cadáveres Aqui Escavaram Suas Covas:

Covas Recomendáveis

Prosa De Um Coveiro Inominável

O Terror Inominável. O Horror Inominável. A Loucura Inominável. A Cova Aqui É A Do Puro Pesadelo Das Covas Mais Profundas E Elevadas. Vozes Estranhas Aqui. Sons Estranhos Aqui. Palavras Estranhas Aqui. Estranhas E Inomináveis. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Do Terror Inominável. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Do Horror Inominável. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Da Loucura Inominável.

O Coveiro Inominável

Minha foto
Nos Infernos, O Abismo
Visualizar meu perfil completo

Cavam Aqui Suas Covas:

Arquivo do blog

Marcadores


Firefox

Firefox

Meu Perfil No Facebook

Obtenha visualizações gratuitas no Snap.com
Add to Technorati Favorites

Arquivo do blog

Recent Posts

Unordered List

Theme Support