domingo, 9 de outubro de 2016

A Meditativa Katana De Aya



“(...) Existe a espada e a forma como utilizamos a espada. Você pode ser o melhor servo da senhora espada que empunha nas mãos, mas jamais será um Mestre se não se tornar o senhor de si mesmo e fizer de sua espada a sua serva. Isso é um modo de completar-se ao ato de aprender a verdade encerrada em toda lâmina brandida em um campo de batalha. Considere cada movimento seu dentro do foco central das suas limitações e no campo inabitual da sua falta de limitações. Não basta apenas ser mais do que uma espada, a necessidade da lâmina de todo aprendizado é forjar continuamente na alma guerreira as fabricações de intermináveis espadas invulneráveis. Somente assim, o inimigo no campo de batalha terá uma morte digna. Aquele que não sabe forjar suas próprias espadas no campo de batalha de sua alma é indigno de empunhar uma espada. E é igualmente indigno de existir em qualquer outro Caminho da Existencial Estrada. (...)”


Aya Tsohg-Harada fecha o Livro Um dos Setenta E Dois Livros Primordiais Do Buddheltken no capítulo intitulado A Fabricação Das Espadas Internas. Todos os Livros da Tradição Mística-Militar-Filosófica foram escritos de 1999 a 2040 pelo Fundador da mesma, Mitsumasa Tamagura, O Maior Dos Mestres Do Kenjitsu em toda a História Da Colonização Terrestre Keauriotheniana. Buddheltken significa O Espírito Búdico Da Magia Eterna Nas Lâminas Das Katanas e é uma fusão do Buddohatkomar Heltizengon (O Espírito Búdico Revelado Na Magia Eterna) com a Arte das Espadas Tradicionais Japonesas, as fatais Katanas. Aya, uma Keriaunothed (assim são chamados os Mestiços de Keauriothenianos com Humana Pura), General Suprema De Guerra Do Japão, Potencial para a Condição Evolutiva de Entidade, contém em sua alma mais do que lâminas forjadas nos campos de batalha onde se formou como a Guerreira que é. O Livro é deixado no altar do Buddha Anreteniud em seus aposentos particulares no Templo Buddheltken de Okinawa e sua Katana é brandida em movimentos imitativos de explosões de ar.


— “Amanhã, Aya, faremos uma festividade para comemorarmos o nascimento de nossa décima filha! Contamos com você, amiga!”


28 de dezembro de 2294, a décima primeira hora do dia despontando na Terra Do Sol Eterno, como o Japão veio a ser conhecido na Colonização Keauriotheniana. O Segundo Levante Do Aço eclodiu em todos os continentes há treze anos, erguido por herdeiros da Ideologia Mais Humana, o Ultragrupo Militar Cruzada Do Exército Da Libertação Humana (UMCELH). Liderados pela argentina Mariana Fernandez Paz e o italiano Giuseppe Giuliano Thornagi, contam com 57% da população humana a seu favor. Supremacistas, Racialistas e Racistas Extremos, os Cruzados Mais Humanos, autodenominados “Libertadores Da Humanidade”, são especialmente crudelíssimos com os Keriaunothed, os quais consideram como “o maior lixo infestando o mundo após a Raça Keauriotheniana”. Por motivos como este, a participação de Aya no Levante, a favor do Governo Imperial Terrestre de Zâmbia Korack I, uma Grande da Magia Da Guerra denominada A Fortaleza Mãe De Infinitas Guerras, tem um motivo muitíssimo particular.


— “Para você,
o sorriso de uma
grande primavera
onde o sol
eternamente fique
a nascer no brilho
dos teus olhos…”


Filha de Dasuah Tsohg (Grande do Buddheltken) e Shogo Takami (Mestre De Primeiro Grau do Buddheltken), sobreviveu à Décima Nona Batalha Da Cidade Eterna De Seul, na qual eles foram mortos, no dia 24 de novembro de 2290. Desde então, imbuída de uma intensa necessidade de se aperfeiçoar nas Técnicas Secretas de sua Arte, vem liderando uma resistência aos Mais Humanos por toda a Ásia. Mas, os membros das Elites Guerreiras daqueles são detentores de formidáveis habilidades além do Buddheltken, incluindo todas as demais Magias De Combate desenvolvidas pela Raça Keauriotheniana. Esta pagou um altíssimo preço ao salvar a Terra após a destruição ocasionada pela Terceira Guerra Mundial na forma de humanos que pregam a superioridade da Humanidade e lutam pelo fim da Colonização. Aya estudou a fundo as motivações de seus inimigos e concluiu que a Ideologia Mais Humana não se findará após mais esta guerra mundialmente travada. É uma Ideologia entranhada no consciente de todos que vêem o Império Keauriotheniano como uma tirania invasora e opressora. Ideologia que ela compreende por também ser uma extremista a favor da Superioridade Racial Keauriotheniana.


— “Aqui ficaremos bem, falta pouco para que possamos construir estes Artefatos Misticos que serão distribuídos entre os membros das nossas Legiões. Confie em nossa rapidez, General Aya!”


Em seus setenta e quatro anos de existência, Aya defendeu até mesmo diante do Imperador Thades Ocitilop Shodolon suas idéias de Supremacia Racial Keauriotheniana. Popular no Japão entre 71% dos Keriaunotheds, que vêem-na como uma líder acima da Governante Imperial Estatal Hideko Tendo, defende igualmente a Superioridade dos de sua Etnia Bioespiritual. Em contrapartida, é rejeitada pelos Keauriothenianos e Humanos Puros, que se viram obrigados apenas a aceitá-la como General Suprema porque a mesma se destacou antes do Levante às caçadas e prisões de Mais Humanos pelo Continente Asiático. Aya, apesar de sua arrogância e racialismo declarados, cumpre seus deveres e obrigações para com o Império de modo responsável, mostrando-se digna e ciente de cada tarefa que deve executar em prol da defesa do mesmo. Ainda defende como antes as suas idéias radicais e insiste na divulgação aberta das mesmas; temida em batalha por ter lutado em 2.025 rápidas guerras travadas por Keauriothen pelo Plano Universal, é apenas respeitada mais por causa disso do que por qualquer outra qualidade que tenha.


— “Mãe, vai tudo acabar bem, vamos vencer os Mais Humanos e comemorar em Tóquio nassa grandiosa vitória!”


Aya foi filha. Aya foi irmã. Aya foi amiga. Aya foi esposa. Aya foi mãe. Aya foi comandante. Seus pais; seus vinte e nove irmãos; seus trinta mais íntimos amigos, partidários de seu extremismo; seu Esposo Eterno, Daigoro Yhaonnhlan-Urameshi; seus cinquenta e três filhos; 230.235.901 de seus comandados diretos: todos mortos dignamente em batalha durante os primeiros treze anos do conflito. Seus Treinamentos tem sido, então, bastante intensos desde que cada um deles foi tombando pelos campos de batalha asiáticos. Suas derrotas pela Ásia foram as mais humilhantes possíveis, nas quais sempre saia ferida. No entanto, seu orgulho e senso de superioridade existencial não diminuíram. Ela precisava treinar mais. Ela precisa treinar mais. Precisa, mas terá pouco tempo para voltar a ser a combatente que era antes da eclosão da guerra.


— “A senhora é a nossa esperança, General Aya, junto com o Imperador Thades e a Matriarca Zâmbia! Nosso país e nosso mundo precisam das guerreiras riquezas de vocês três!”


Thades, um Deus, vinha acumulando derrotas bélicas tanto quanto ela. Zâmbia obtinha pequenas vitórias ofuscadas por tantas outras pequenas derrotas. Por todo o mundo. Aya treinava e ia combater os Mais Humanos. Aya treinava e era derrotada por um combatente novo, mais habilidoso do que ela, a cada batalha. O Japão tinha focos de Legiões Mais Humanas nas cidades principais, executando guerrilhas que geraram terrível caos urbano tanto na superfície quanto nas extensões subterrâneas daquelas. Aya continuava indo para as batalhas, de cidade em cidade de seu país, ao lado da Governante do mesmo. E sabia que poderia ser morta em qualquer uma delas por um combatente da Elite que se igualava aos Keuariothenianos nas batalhas. Poderia ser morta na Cidade Eterna De Hiroshima por Mayumi Kiriyama. Poderia ser morta na Cidade Eterna De Nagasaki por Keniuchio Ueto. Poderia ser morta na Cidade Eterna De Tóquio por Kazuya Honda. Ou poderia ser morta hoje na Cidade Eterna De Okinawa por Megumi Kamamura, sua maior rival. Todos são praticantes do Buddheltken, mas Megumi é diferente, uma Humana que consegue manifestar o Vahtten Aogho Anreteniud, O Pulso Iluminado Eterno, que torna a Katana dela capaz de rasgar o Tecido Cósmico de um Universo. Uma Técnica Secreta Rara, um Dom para poucos; ela não está entre estes, mas uma Humana, da Raça que ela tanto despreza, está. Uma Humana a supera. Uma Humana pode ser aquela que a derrotará. Uma Humana pode ser aquela que a matará dignamente em um campo de batalha por ser uma Guerreira a ela superior.


— “Todos morremos ou somos Extintos, Aya. Você vai aprender isso quando for adulta e tiver Compreendido os ensinamentos do Venerável Tamagura em sua Interna Verdadeira Luz. Você sentirá o fim do seu Existir Material de um modo diferente do meu, do seu pai, de seus irmãos, de seus amigos e futuros Esposo e filhos. É Inescapável A Morte E A Extinção, Todo Sol Um Dia Se Apaga.”


O Treinamento termina e pode ser o último de Aya. Três Legiões aguardam-na, quatrocentos e cinquenta mil Soldados para combaterem um número três vezes maior de Mais Humanos comandados por Megumi, chamada pelos japoneses de A Filha Solar Da Morte. Okinawa está totalmente cercada, a Governante Japonesa também se encontra presente e, se tombar na batalha que será travada, entregará o país nas mãos dos Mais Humanos. A Katana Mistica Maior Dos Tsohg-Harada é embainhada; a Armadura Prateada Do Sol Vitorioso é trajada; e o caminho para a saída do Templo é percorrido. Durante o trajeto, outras palavras, daqueles que ela conheceram e tombaram na guerra sendo ora travada, ocupam-lhe a mente. Ela sabe o que isso significa, já que antes de todas as batalhas anteriores não reoercutiam em sua mente as lembranças daqueles que amou. Ela Sabe bem o significado desses pensamentos do passado e se mantém altiva, imponente e gloriosa como sempre, surgindo com a Katana desembainhada à frente de muitos de seus comandados. Ovacionada, ela se emociona; ela Sabe o que esta emoção significa, ela nunca fôra de ficar estremecida diante de ovações de seus admiradores. Ela olha para outra rival sua, a Governante Japonesa Hideko, a quem despreza como a todos os Seres Humanos. Hideko, que retribui-lhe a antipatia, sorri; e ela Sabe o que este sorriso significa.


E, então, tudo por um momento pára… Aya olha para sua Katana e se vê, de repente, lutando nos céus de Okinawa… Reagindo por instinto, sem furor ou fervor, sentido ou motivação profunda, ela cumpre seu papel de Guerreira… Ela Sabe o que isso significa! Sabe o que significa agir, pela primeira vez, automaticamente, sem o vigor quase insano da combatente que ela já fora! 2.125 foram mortos por sua Katana em duas horas… O triplo de seus comandados foi morto durante este período… Hideko, sua rival, ainda está viva, matara com a Katana dela 2.127 inimigos, dois a mais do que ela… Uma grande rival, mas nada se compara a Megumi, que matou com a Katana dela 82.120 Soldados que ela pessoalmente treinou… Ela Sabe o que isso significa! Sabe o que significa a aproximação de Megumi à sua frente, matando outros 18.213 Soldados no caminho! As Katanas chocam-se… Hideko se une à luta… Aya Sabe que apenas ela e Hideko são páreo para Megumi em Okinawa… No entanto, a cruel superioridade marcialdo Sol Assassino, o outro Nome Eterno de Megumi, se sobressai… E em dez minutos lutando ao lado de Aya, Hideko é decapitada… Aya Sabe o que isso significa! Sabe o que significa o triunfante sorriso da maior dos seus inimigos! Sabe e ouve em sua mente palavras do passado… Sabe e ouve em sua mente as mais inesquecíveis palavras de seu passado…


Aya resistiu a Megumi por oito horas, a mais épica de todas as Batalhas Místicas do Segundo Levante, recuperando tudo de seu antigo Espirito Guerreiro. Os Mais Humanos massacraram a todos os Soldados de Aya e aos 288.954.231 habitantes originais da Cidade, de formas bárbaras e covardes, incluindo estupros de mulheres, homens, crianças e idosos, no caso de Humanos Puros; e empalamentos e incinerações em vida, nos casos de Keauriothenianos Puros e Keriaunotheds. Mas, Aya, que Sentiu cada morte selvagemente efetuada por seus inimigos, realmente não se importou com nenhuma. Seu único objetivo era vencer Megumi, provando a inferioridade de uma dos Seres Humanos, aos quais devotava profundos pensamentos negativos quanto ao fato dos mesmos serem Existentes. Os pensamentos do passado lhe acompanharam durante toda a luta, palavras em sua mente martelando no ritmo da guerreira meditação de sua Katana em combate. Ao sentir a pressão do crescimento marcial dela, Megumi decidiu encerrar a luta com seu famoso e temido Vahtten. Pressentindo um dos Golpes Búdicos Supremos Revelados Na Magia Eterna, Aya Explodiu Evolutivamente liberando todo seu Dom Da Potencialidade De Entidade em direção à inimiga, municiado com tudo que sabia do Peso Infinito Buddelthken em sua Alma Eterna. O Choque Energético das duas Armas varreu Okinawa, matando a todos os Mais Humanos; se expandiu pelo Japão, matando 213.537.900 habitantes; por todo o mundo, matando 3.212.907.664 habitantes; e atingindo, em menores escalas, todos os planetas do Universo Gênesis, matando 55.123.865 Seres das mais diversas Raças.


O Poder Expandido agiu no Astral Universal e seu impacto material atingiu mais aos Seres Racionais Materializados do que aos Governantes e Auxiliares Espirituais Planetários. Não fossem os Deuses de todas as Raças de Gênesis, a Energia liberada consumiria o mesmo e milhares de outros Universos. Contendo seus Efeitos, diminuiram-lhe até fazê-lo desaparecer. Thades, sozinho, salvou a Terra, tendo no processo sido enfraquecido em 77% de seus Poderes; e os dois lados da guerra, igualmente afetados com bastante rigor, deram-se uma trégua de seis meses até que se recuperassem para continuar o conflito.


Aya e Megumi, no epicentro do Evento Universal, foram encontradas acima dos escombros do Templo Buddheltken de Okinawa por Legiões Chinesas lideradas pelo Clã Gnaix, que socorreram o Japão. As duas estavam em pé, uma à frente da outra, as Katanas seguras pelas duas mãos, à frente dos corpos. Em postura ofensiva. Olhos totalmente brancos. Corpos rígidos. Mortas.


E nenhuma das duas foi considerada uma heroína por cada lado do conflito que ainda continuaria sendo travado. Nenhuma das duas deixou descendentes e o Clã Tsogh-Harada findou-se com Aya, cuja Katana partiu-se em minúsculos pedaços quando seu cadáver foi removido.

Inominável Ser
BÉLICO
CRONISTA
INOMINÁVEL





Share:

0 Cadáveres Aqui Escavaram Suas Covas:

Covas Recomendáveis

Prosa De Um Coveiro Inominável

O Terror Inominável. O Horror Inominável. A Loucura Inominável. A Cova Aqui É A Do Puro Pesadelo Das Covas Mais Profundas E Elevadas. Vozes Estranhas Aqui. Sons Estranhos Aqui. Palavras Estranhas Aqui. Estranhas E Inomináveis. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Do Terror Inominável. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Do Horror Inominável. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Da Loucura Inominável.

O Coveiro Inominável

Minha foto
Nos Infernos, O Abismo
Visualizar meu perfil completo

Cavam Aqui Suas Covas:

Arquivo do blog

Marcadores


Firefox

Firefox

Meu Perfil No Facebook

Obtenha visualizações gratuitas no Snap.com
Add to Technorati Favorites

Arquivo do blog

Recent Posts

Unordered List

Theme Support