domingo, 20 de novembro de 2016

O Nascimento De Uma Maga Negra Das Trevas


Anna Krajewski


Conectada a uma Antiga Fúria, a Sacerdotisa Purificada alcança a altitude na qual, do alto da Maior Montanha, os Atravessadores Do Deserto lançam ao solo o próprio coração. E a concepção de novos universos ressoa junto com o estampido dos clarões fulgurantes da negra alvorada do Eu. O Eu se transfere para o curso dos cometas em Descensão, os Servos se curvam aos Mestres, o Toque se torna Breve, o Vento sobre Nobre. Em ondas de mares de sangue, podridão, licores sutis e tesouros inevitáveis, surge O Guardião Das Portas De Névoas Com Sua Voz Eterna. O Guardião Que É Outras Trevas. O Guardião Que É Puras Trevas. O Guardião Que É Doutas Trevas. O Guardião Que É Ricas Trevas. O Guardião Que É Verbais Trevas. O Guardião Que É Vestes Em Trevas. O Guardião Que É Peste Em Trevas. O Guardião Que É Verdades Nas Trevas. O Guardião Que É O Receptor Nas Trevas. O Guardião Que É O Preceptor Nas Trevas. O Guardião Que É O Ouvinte Nas Trevas.


— Para Onde Olhas, Sacerdotisa?


A Sacerdotisa derrama uma gota de sangue sobre as vestes de cadáveres imolados no Sacrifício Do Ontem, dando a resposta.


— De Onde Tu Vens, Sacerdotisa?


A Sacerdotisa derrama uma gota de sangue sobre pedras polidas à luz do sol poente, O Sacrifício De Sempre, dando a resposta.


— O Que Trouxe Contigo, Sacerdotisa?


A Sacerdotisa derrama uma gota de sangue sobre sete punhais de ferro, O Sacrifício Do Hoje, dando a resposta.


— O Que Deixou Fora De Ti, Sacerdotisa?


A Sacerdotisa derrama uma gota de sangue sobre nove velas brancas quebradas, O Sacrifício Do Amanhã, dando a resposta.


— O Que Leva Contigo, Sacerdotisa?


A Sacerdotisa derrama uma gota de sangue sobre o ventre aberto de um bebê sacrificado acima de uma rubra rocha, O Sacrifício Negado, dando a resposta.


— O Que Tu Determinas, Sacerdotisa?


A Sacerdotisa derrama uma gota de sangue sobre o coração pulsante da mãe daquele bebê sacrificado, coração em uma bandeja de aço negro, O Sacrifício Nascente, dando a resposta.


— O Que Tu Verbalizas, Sacerdotisa?


A Sacerdotisa derrama uma gota de sangue sobre o crânio aberto do pai daquele bebê e mãe sacrificados, crânio acima de um prateado altar contendo rubras e negras velas, O Sacrifício Determinado, dando a resposta.


— O Que Tu Constrói, Sacerdotisa?


A Sacerdotisa derrama uma gota de sangue sobre os seios do cadáver da mãe dela, O Sacrifício Possível, dando a resposta.


— O Que Tu Destrói, Sacerdotisa?


A Sacerdotisa derrama uma gota de sangue sobre o pênis do cadáver do pai dela, O Sacrifício Marcado, dando a resposta


— O Que Tu Ofereces Aos Novos, Sacerdotisa?


A Sacerdotisa derrama uma gota de sangue sobre o cadáver do esposo dela, O Sacrifício Conhecido, dando a resposta.


— O Que Tu Ofereces Aos Antigos, Sacerdotisa?


A Sacerdotisa derrama uma gota de sangue sobre o cadáver das filhas trigêmeas dela, O Sacrifício Derradeiro, dando a resposta.


— O Que Tu Ofereces Ao Eterno, Sacerdotisa?


A Sacerdotisa derrama uma gota de sangue sobre ela mesma, gota de sangue de seus pulsos cortados, e com o Punhal Dos Sacrifícios corta a própria jugular, permanecendo ereta diante do Guardião. Está dada a última resposta


— Venha, Sacerdotisa.


A Sacerdotisa Se Torna Trevas.


— Venha, Sacerdotisa.


A Sacerdotisa Bebe Trevas.


— Venha, Sacerdotisa.


A Sacerdotisa Se Alimenta De Trevas.


— Venha, Sacerdotisa.


A Sacerdotisa Dança Revestida De Trevas.


— Venha, Sacerdotisa.


A Sacerdotisa Canta Aplaudida Pelas Trevas.


— Venha, Sacerdotisa.


A Sacerdotisa Adormece Nas Trevas.


— Venha, Sacerdotisa.


A Sacerdotisa Desperta Nas Trevas.


— Bem-Vinda, Sacerdotisa.


A Sacerdotisa É Trevas.


— Bem-Vinda Entre Nós, Os Eternos Adversários.


A Sacerdotisa, As Trevas, Os Trevosos.


— Bem-Vinda, Maga Negra Das Trevas.


A Maga, Os Magos, As Adversárias Trevas.


— Aceitai Cada Beijo.


A Maga Aceita.


— Aceitai Cada Braço.


A Maga Aceita.


— Aceitai Cada Abraço.


A Maga Aceita.


— Lute Conosco.


A Maga Luta.


— Arraste Conosco.


A Maga Arrasta.


— Arrase Conosco.


A Maga Arrasa.


— Morda Conosco


A Maga Morde.


— Rasgue Conosco.


A Maga Rasga.


— Planeje Conosco.


A Maga Planeja.


— Perturbe Conosco.


A Maga Perturba.


— Escravize Conosco.


A Maga Escraviza.


— Derrame Conosco.


A Maga Derrama.


— Conquiste Conosco.


A Maga Conquista.


— Conosco, Irmã Nas Trevas.


A Maga Assim É No Império Das Adversárias Trevas.


— Conosco, Contra A Luz Derramada.


A Maga Assim É No Império Dominante Da Matéria.


— Conosco, Contra As Mentiras Dos Ungidos.


A Maga Assim É No Império Inimigo Dos Celestes.


— Conosco, Contra O Enganador.


A Maga, Uma Com Todos Os Magos, Assim Nasce E Continuará Nascendo Pela Eternidade Das Adversárias Trevas.


Inominável Ser
SACERDOTE
DAS TREVAS





Share:

0 Cadáveres Aqui Escavaram Suas Covas:

Meu Perfil No Facebook

Esta Cova No Facebook

Prosa De Um Coveiro Inominável

O Terror Inominável. O Horror Inominável. A Loucura Inominável. A Cova Aqui É A Do Puro Pesadelo Das Covas Mais Profundas E Elevadas. Vozes Estranhas Aqui. Sons Estranhos Aqui. Palavras Estranhas Aqui. Estranhas E Inomináveis. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Do Terror Inominável. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Do Horror Inominável. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Da Loucura Inominável.

O Coveiro Inominável

Minha foto
Nos Infernos, O Abismo
Visualizar meu perfil completo

Cavam Aqui Suas Covas:

Arquivo do blog

Marcadores


Firefox

Firefox
Obtenha visualizações gratuitas no Snap.com
Add to Technorati Favorites

Arquivo do blog

Recent Posts

Unordered List

Theme Support