segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

O Lobo E Sua Senhora


Hunting Ground - Dan Dos Santos


A razão dos predadores nunca pode ser negada e as noites de uma cidade podem ser povoadas pelos mais diversos tipos de feras prontas para o arrancar de almas, mentes e ossos. As Grandes Feras temidas são pelo seu gosto por massacres onde todas as vontades são esmagadas. As Grandes Fúrias regem as caminhadas dos predadores pelas urbanas selvas. As Grandes Obras Assassinas fazem parte de um pacto entre dois companheiros de uma intensa jornada nos Caminhos Sanguinários. Companheiros como o Lobo Jordamur e sua Senhora, Arhyany.


— Nossa luta ainda não tem fim, Jordamur, temos que continuar em todas as frentes desta guerra. Pela Honra Darmu, temo que nos guiar até o fim de todos os nossos inimigos. Não pode parar e nem mesmo nos negar ao combate e à eliminação de todos os nossos inimigos. Devemos isso aos Primeiros Lobos, os nossos Pais Eternos.


A razão dos predadores comanda os passos do Lobo. A razão dos predadores alimenta a vontade da Senhora. As cidades de Legnetulb são uma campos de batalhas entre os Primeiros, os Últimos e os Novos Lobos Tsudlegna. Para Jordamur, não há garganta que não possa ser rasgada. Para Arhyany, não há sentido nem mesmo em deixar crianças vivas. Eles são Soldados Dos Primeiros e o extermínio de todos das outros duas Lupinas Castas Legnetulb é uma exigência dos Primeiros Generais.


— “Não, meu bebê, não!”

— “Por favor, em nome do Grande Lobo Pai!”

— “Meus filhos, não!”

— “Filhas, fujam!”

— “Agora, pode matar somente a mim, deixe minha família viva!”

— “Por favor, eu imploro, em Nome Daquele Que Impera!”

— “Não!”

— “Imploro!”

— “Deixe-me viver!”

— “Mãe!”

— “Pai!”

— “Filho!”

— “Assassinos! Assassinos!”

— “Monstros!”

— “Desgraçada!”

— “Desgraçada!”

— Desgraçada!”

— “Desgraçada!”

— “Desgraçada!”

— Desgraçada!”

— “Desgraçada!”

— “Desgraçada!”

— “Desgraçada!”

— “Desgraçados!”

— “Desgraçados!”

— “Desgraçados!”

— “Desgraçados!”

— “Desgraçados!”

— “Desgraçados!”

— “Desgraçados!”

— “Desgraçados!”

— “Desgraçados!”


A razão dos predadores é medida pela quantidade de sangue a jorrar de suas presas e garras nas mais diversas condições de guerra. Em seus duzentos anos em uma guerra que já dura mil e duzentos anos, o Lobo e sua Senhora já ouviram as mais diversas palavras enquanto cumpriam seus massacres determinados pelos Generais. Aryahny ouvia guerreiros e residentes das cidades onde era designada a ir como membra dos Primeiros Exércitos implorarem por suas vidas. Ela guiava seu Lobo contra outros Lobos e contra os Senhores destes. Ela guiava seu Lobo contra as famílias dos guerreiros vencidos. Ela guiava, cumpridora das determinações de seus Senhores, seu Lobo na matança generalizada. E, enquanto durar a guerra no mundo onde os predadores comandam todas as ações e reações dos cotidianos atos, ela vai continuar guiando seu Lobo no derramamento de sangue.


Aos Lobos
Uma canção
Da terra onde
Nascem as auroras

Aos Senhores
Uma canção
Da terra onde
Morrem os crepúsculos

A Canção
Dos Lobos
É o uivo
Interminável

A Canção
Dos Senhores
É a mandíbula
Invencível

Cantam
Os Lobos
Com seus uivos
Sanguinários

Cantam
Os Senhores
Com seus olhares
Implacáveis

Aos Lobos
As vozes
De seus Senhores
Eternos

Aos Senhores
O amor
De seus Lobos
Eternos

Os Lobos
Devoram
Para o bem
Dos Senhores

O Senhores
Devoram
Para o bem
Dos Lobos

Com Lobos
As cidades
São de sangue
A jorrar

Com Senhores
O sangue
É o prêmio
A consagrar


A razão do predadores não questiona e nem dá pausas para reflexões diante da obrigação de seguir o Caminho Predador. Como bem diz A Canção Dos Lobos E Seus Senhores, escrita por um desconhecido Senhor nascido quatro mil anos antes do início da guerra. Arhyany canta sempre aquela canção ao lado dos demais Senhores, que respeitam-na como A Maior Dos Senhores Primeiros. Ela tem em conta de trezentos e quarenta milhões aqueles que viu Seu Lobo matar; mas, entre os que não viu, conta-se outros quatrocentos milhões. Ela mesma, com suas garras expostas em batalhas, matou um bilhão e tornou-se a mais temida Guerreira de Legnetulb. Mas, algo falta…

A razão dos predadores demanda incansável metodologia no incessante buscar de presas difíceis ou fáceis. Arhyany quer apenas um momento de paz, momento longe de batalhas e massacres pós-batalhas. Arhyany quer apenas uma trégua para poder abraçar seu Lobo como um amigo e não como Soldado. Arhyany deseja algo que compartilha apenas com seu Lobo… E os incessantes chamados para batalhas de cidade em cidade do quase infindo mundo onde Ser Predador é o Ápice Evolutivo extinguem a realização concreta de tal desejo.

A razão dos predadores é apenas exercer os movimentos enaltecedores dos Mistérios Assassinantes. O Lobo obedece. A Senhora ordena. As Presas sofrem.


Inominável Ser
INOMINÁVEL
PREDADOR
A UIVAR





Share:

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Você Precisa Dormir, Menina Martina...


Photo by Konstantin Alexandroff


Todo dia, diante deste espelho, me refugio em pensamentos refletindo poucas lembranças e muitas fugas. Este reflexo aqui, um pedaço de mim parado ou o que está lá do outro lado sou eu? Aquela que está refletida sou eu mesma ou eu sou o reflexo dela? Estas meditações me envolveram durante quarenta anos de minha vida. Desde pequena, desde a idade na qual eu comecei verdadeiramente a raciocinar, eu me indiquei sobre a criatura que via refletida no espelho. Eu me fixava nela, a abordava, questionava, gritava com a mesma até a rouquidão fazer com que eu me calasse. Quarenta anos nisso, afastando todos em meu redor, nada mais pensando a não ser em fazer com que ela me respondesse… E hoje, pela primeira vez, ela falou comigo… E eu não sei se estou em  um sonho que sempre desejei ou em um pesadelo que nunca planejei que de mim se aproximasse.


— Está fraca. Logo você. Você que tanto quis que eu te respondesse.
— Não estou fraca.
— Sim. Você não está. Você é fraca. Abandonou tudo por minha causa. Abandonou tudo para ficar apenas comigo.
— Quem é, na verdade, você? É mesmo o meu reflexo?
— E se você for o meu reflexo?
— Qual lado aqui é o verdadeiro?
— E se não houver um lado verdadeiro?
— Se não houver…
— Seus questionamentos. Cada um deles. E se forem os meus questionamentos e não seus?
— Se forem seus…
— Se tudo for meu. Pense se tudo for meu.
— Você pode estar mentindo.
— E se você estiver mentindo?
— Se eu estiver mentindo…
— Devia ter me deixado ficar calada até o fim da sua vida.
— Não, eu tinha que saber quem é você!
— E você sabe quem você é?
— Eu sei quem você é!
— Não, você não sabe. Nunca soube. Nunca saberá.
— Eu sei, sempre soube, sempre saberei!
— É verdade? É mesmo verdade? Ou mente para você mesma?
— E se você aqui é a mentirosa?
— E se a mentira for você?
— Qual é o seu objetivo?
— Eu apareço diante de ti no espelho há quarenta anos. Vi seus cabelos grandes, pequenos, raspados. Vi sua pele lisa, oleosa, enrugada. Vó seus olhos brilhantes, foscos, mortos. E você me pergunta qual é o meu objetivo?
— Por que eu te vejo?
— Na verdade, sou eu que vejo você.
— Por que eu não consigo parar de te ver?
— Na verdade, sou eu que não consigo parar de te ver.
— Por que você não desaparece?
— Na verdade, é você que não desaparece.
— Por que você existe?
— Na verdade, é você que existe.
— Você existe?
— Eu existo porque você faz com que eu exista.
— Qual de nós duas é real?
— Existe mesmo o que seja real?
— Você não está solucionando nada…
— Não existe solução para nada.
— Te persegui tanto… Te chamei tanto… E você não consegue me dar uma resposta…
— Eu não sou uma resposta. Eu não tenho nenhuma resposta. Nem você é ou tem uma resposta.
— Você zomba de mim…
— Sim, você é uma piada.
— Uma piada…
— Me perseguiu. Me provocou. Me perturbou. Me tirou daqui de onde eu estava. Me desequilibrou para poder saber quem eu sou. Mas, quem está verdadeiramente desequilibrada?
— É só isso que tem para me dizer?
— E o que você tem para me dizer?
— Quem sou eu?
— Uma medíocre pergunta.
— Quem me fez como eu sou?
— Uma insana pergunta.
— Quem me deu este rosto refletido aqui?
— Uma insensata pergunta.
— Me dê uma resposta…
— Não há nenhuma resposta a ser dada.
— Há alguma…
— Não há. Você se engana. Você se perde. Você nem é o que pensa ser. Ou você alguma vez pensou ser algo?
— Penso apenas em você!
— E se você for apenas um pensamento meu?
— Eu sei que você…
— Não, querida. Você não sabe. Assim como eu não sei. Assim como ninguém dos dois lados do espelho sabe.
— Você pode me dizer quem é você?
— De novo. Esta pergunta. Não vou responder.
— Eu preciso…
— Você precisa dormir, menina.
— Não, dormir…
— Você precisa dormir, menina.
— Não, eu…
— Você precisa dormir, menina.
— Pare de repetir isso!
— Você precisa dormir, menina.
— Não quero dormir!
— Você precisa dormir, menina.
— Não vou dormir!
— Você precisa dormir, menina.
— Não, quero continuar falando com você!
— Você precisa dormir, menina.
— Não, não vou te deixar ir embora!
— Você precisa dormir, menina.
— Não, desgraçada, não!
— Você precisa dormir, menina.
— Não, desgraçada!
— Você precisa dormir, menina.
— Desgraçada!
— Você precisa dormir, menina.
— Pare de repetir isso, desgraçada!
— Você precisa dormir, menina.
— Pare, desgraçada!
— Você precisa dormir, menina.
— Pare! Pare! Pare!
— Você precisa dormir, menina.
— Desgraçada! Desgraçada! Desgraçada!

— Você precisa dormir, Martina.


É o médico na porta do banheiro, acompanhado por dois enfermeiros e a enfermeira que traz a camisa-de-força. Eu vou ser posta nesta mais uma vez, sedada, vão me fazer dormir. A porta vai ser arrombada, como foi das outras vezes. A primeira vez que fizeram isso, eu reagi... Sempre me lembro da raiva que pela primeira vez senti na vida, uma raiva igual a esta! Cortei as gargantas de meus pais e três irmãs enquanto eles dormiam! Depois, sempre que me interrompiam, continuei cortando outras gargantas! Me dava raiva, eu cortava, a raiva passava! Até me prenderem aqui há oito anos e não cortei mais gargantas... Mas, eles me interrompem! E a raiva chega! O médico, os enfermeiros, a enfermeira! Com eles, é mais difícil, são muito altos, muito fortes, me dominam, me amarram, me sedam, me tirando da companhia do espelho! E nunca dormem perto de mim... E sempre me deixam amarrada na cama... Eu poderia quebrá-lo e cortar a minha garganta com um caco seu, dando um fim nisso, espelho... Mas, não… Não… Quero falar novamente com ela…  Vou falar com ela novamente… Esperei quarenta anos para que ela me respondesse e eu não vou desistir dela assim! Não vou! Não! Não vou!


— Você vai aparecer de novo falando comigo…

— Martina, abra a porta!

— Você me ouve?

— Martina!

— Sei que me ouve, eu te ouço rir de mim agora…

— Lucas, Rivaldo, arrombem a porta!

— Me acha engraçada, desgraçada?

— Não a machuquem, dominem como sempre fazem!

— Nos falamos outro dia, Martina…

— Segurem ela agora, com calma!

— Boa noite, Martina…


Inominável Ser
REFLETIDO
NO ESPELHO
COMO ELE
MESMO
OU COMO
OUTRO SER




Share:

Meu Perfil No Facebook

Esta Cova No Facebook

Prosa De Um Coveiro Inominável

O Terror Inominável. O Horror Inominável. A Loucura Inominável. A Cova Aqui É A Do Puro Pesadelo Das Covas Mais Profundas E Elevadas. Vozes Estranhas Aqui. Sons Estranhos Aqui. Palavras Estranhas Aqui. Estranhas E Inomináveis. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Do Terror Inominável. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Do Horror Inominável. Sintam-Se Conduzidos Pelo Carro Inominável Da Loucura Inominável.

O Coveiro Inominável

Minha foto
Nos Infernos, O Abismo
Visualizar meu perfil completo

Cavam Aqui Suas Covas:

Marcadores


Firefox

Firefox
Obtenha visualizações gratuitas no Snap.com
Add to Technorati Favorites

Recent Posts

Unordered List

Theme Support